quarta-feira, fevereiro 01, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Heloísa Apolinário, deputada eleita pela CDU

A deputada Heloísa Apolónia, eleita pelos eleitores da CDU, comporta-se no parlamento com uma agressividade acusatória de fazer inveja ao líder da oposição. Desta vez acusa o governo de ter acordado tarde para Almaraz. Acontece que não me recordo de a destemida deputada ter feito de despertador neste assunto, tem tido muitas intervenções depois de o assunto aparecer nas notícias, mas antes disso não fez grandes intervenções sobre a matéria.

«"Relativamente a este Governo temos dito que acordou, na nossa perspetiva, um pouco tarde para a matéria, porque é quando o Governo sente que parece que há um facto consumado, no que respeita à construção daquele armazém para resíduos nucleares, que o Governo desperta para uma ação, até lá a passividade caracterizou a sua ação", disse.

A deputada, que falava no decorrer de uma audição pública sobre a central nuclear de Almaraz, no auditório da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Portalegre, no âmbito das jornadas parlamentares do partido, concordou, no entanto, com a posição do Governo que apresentou recentemente em Bruxelas uma queixa sobre este processo.

"É importante que o Governo entre mais em peso na pressão sobre Espanha e que entre através do ministro dos Negócios Estrangeiros, de uma forma mais direta e mais presente, não apenas pontual, que entre através do primeiro-ministro e também que, o envolvimento dos chefes de Estado, neste caso do senhor Presidente da República, seria também importante", acrescentou.» [Notícias ao Minuto]

 Manifestação anti-Tump

A melhor manifestação contra o Idiotrump é boicotar a América e tudo o que seja americano para cortar o abcesso putrefacto pela raiz. As manifestações a que assistimos nos aeroportos americanos vão ter uma eficácia nula e muito menos têm as manifestações encabeçadas pela candidata presidencial do BE.

Infelizmente uma pedrada numa montra da Aplle ou num stand da Ford terão mais impacto à escala mundial e assustarão mais Trump do que todas as manifestações já realizadas. Infelizmente o cidadão comum vai ficar calado enquanto os extremistas chamarão a si o confronto com os EUA e um dia destes em vez de acusarmos Trump ainda vamos ter de o defender porque os extremistas colocaram provocaram uma explosão que mata americanos que, muito provavelmente, também se opunham a Trump.

      
 Pela nacionalidade
   
«Trump não sabe o que está a fazer. Não é isso que o interessa. Ele faz o que faz para mostrar que é capaz de fazer. Trump não está só a ser um político: está a exercer o poder. E a divertir-se com as reacções.

Ele não pode continuar a ser tratado como uma ovelha negra. É o Presidente dos EUA. Não são as opiniões nem os tweets dele que interessam: são as acções. Reagir às acções executivas do Presidente dos EUA com protestos é música para os ouvidos dele. Às acções responde-se com acções.

Trump proibiu a entrada de pessoas nos EUA de acordo com a nacionalidade delas. Esta discriminação é inaceitável. Não adianta nada discutir as nacionalidades e as respectivas culpas no cartório terrorista: isso é aceitar o critério dele.

O que Trump pensa acerca dos muçulmanos não interessa. Interessa são as acções dele. Interessam, sobretudo, as acções dele que vão contra os direitos humanos de seres humanos, seja de que nacionalidade, crença religiosa ou raça formos. Os direitos humanos de todos os seres humanos são activamente canceladas pela decisão de Trump de discriminar conforme a nacionalidade.

As pessoas não têm de dizer que não têm culpa de serem portuguesas, paquistanesas ou americanas. Quando Trump atacou, de facto, exercendo o poder que tem, os direitos de pessoas de várias nacionalidades, o que temos de ouvir é "atacou a nacionalidade". A única resposta é proibir o livre movimento de cidadãos dos EUA enquanto Trump não levantar a proibição. Fogo com fogo se combate. É assim que a política se faz.» [Público]
   
Autor:

Miguel Esteves Cardoso.

      
 A voz do dono
   
«O novo procurador-geral interino dos Estados Unidos [cargo correspondente ao de ministro da Justiça em Portugal] comprometeu-se a defender a controversa ordem de Donald Trump sobre imigração, horas depois de a sua antecessora ter sido afastada por contrariar a vontade do Presidente.

O procurador federal Dana Boente foi nomeado para o cargo depois de Trump ter despedido Sally Yates, que transitou da administração de Obama e ocupava o lugar enquanto o novo procurador, Jeff Sessions, não é confirmado pelo Senado. Yates tinha instruído os advogados do Ministério Público a não defenderem a proibição de entrada de refugiados e outros viajantes de países muçulmanos.» [Expresso]
   
Parecer:

Há sempre alguém candidato a verdugo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»
  
 José Manuel Coelho vai mesmo dentro
   
«O deputado madeirense do PTP José Manuel Coelho foi condenado a um ano de prisão efetiva pelo Tribunal da Relação de Lisboa, cumprível ao fim de semana, num processo interposto pelo advogado António Garcia Pereira.

"Acordam os juízes desta 9.ª secção criminal do Tribunal da Relação de Lisboa em conceder provimento aos recursos interpostos pelo assistente António Garcia Pereira e pelo Ministério Público e, revogando a sentença da 1.ª instância, em condenar o arguido José Manuel da Mata Vieira Coelho na pena de um ano de prisão, a cumprir por dias livres correspondentes a fins de semana, em 72 períodos com a duração mínima de 36 horas e máxima de 48 horas, cada um", refere o acordão da Relação a que a Lusa teve acesso, datado de 26 de janeiro.

Em março do ano passado, o deputado madeirense tinha sido absolvido do crime de difamação pelo qual estava acusado devido a declarações proferidas em 2011 contra o advogado e antigo dirigente do PCTP/MRPP Garcia Pereira, processo no qual o antigo político pediu um euro de indemnização. A sentença foi então proferida pela Instância Local Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça.» [Expresso]
   
Parecer:

Pode ser que agora aprenda a ter algum cuidado com a língua.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Deseje-se uma boa estadia ao futuro inquilino das instalações hoteleiras do Estado.»

 Embarque na TAP em  ... Vigo
   
«As viagens de longo curso da TAP são mais baratas a partir de Vigo, em Espanha, do que do Porto, destaca hoje o Jornal de Notícias, que após várias simulações, conclui que a diferença pode ir dos 100 euros, para as tarifas mais baixas, até aos 600 euros para a classe executiva.

O ponto de partida é sempre o mesmo: viajar até Lisboa para apanhar um outro voo em direção ao destino final e depois fazer o mesmo percurso no sentido inverso. Nas simulações feitas pelo JN no site da TAP e nas efetuadas por agências de viagens, é quase sempre mais baixo iniciar a viagem em Vigo do que no Porto.» [DN]
   
Parecer:

Coisas da aviação.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Façam as contas....
   
«António Guterres está no centro de um grave incidente diplomático que fez as autoridades palestinianas virem a público exigir um pedido de desculpas ao secretário-geral das Nações Unidas. E isto porque Guterres fez uma declaração considerada muito polémica pelos palestinianos, ao considerar que o Monte do Templo ou Nobre Santuário — um dos locais religiosos mais disputados em Jerusalém — tem na sua origem um templo judeu. E assim é: aí se ergueu o Templo de Salomão e é aí que se situa o Muro das Lamentações, o segundo local religioso mais reverenciado pelos judeus pois trata-se de uma parede que é único vestígio que resta do antigo Templo de Herodes, erguido no mesmo local do primitivo Templo de Salomão, que foi destruído pelos babilónios.

Para o ministro para os Assuntos de Jerusalém, da Autoridade Palestiniana, Guterres “negligenciou as resoluções da UNESCO, que dizem claramente que a Mesquita Al-Aqsa é uma herança islâmica”. Citado pela agência noticiosa chinesa, Xinhua, Adnan al-Husseini disse mesmo que as declarações de Guterres representam “uma violação para todas as regras humanas, diplomáticas e legais e uma violação da sua posição como secretário-geral” da ONU. A Autoridade Palestiniana exige, assim, que Guterres peça desculpa pelo que disse.» [Observador]
   
Parecer:

Enfim, um erro de aritmética política.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Há imbecis com muito mau gosto
   


«Uma loja dedicada à venda de disfarces de Carnaval viu-se envolvida numa onda de críticas devido a um dos disfarces colocados à venda no seu site. Em causa está um “fato de refugiado para menino”, que esta manhã estava disponível por 15 euros.

Na sua página no Facebook, a organização SOS Racismo escreveu “repudiar veementemente a iniciativa e recorrer a todos os meios para combater qualquer tipo de aproveitamento comercial da miséria e do sofrimento e qualquer iniciativa que vise menorizar e humilhar milhões de pessoas”.

A publicação, entretanto partilhada por dezenas de utilizadores, foi replicada pela Comunidade de Cultura e Arte, contando também com alguns comentários depreciativos e partilhas. Luís Monteiro, deputado do Bloco de Esquerda, usou a rede social para qualificar o artigo de “asqueroso e revoltante”.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Os senhores da loja deviam ir brincar ao Carnaval disfarçados de refugiados, de preferência depois de terem sido afogados no Tejo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão.»
blog comments powered by Disqus