sexta-feira, novembro 21, 2014

"Um país pobre é aquele que em vez de produzir riqueza produz ricos"

A propósito de um outro assunto dizia-me um amigo numa troca de mails que Mia Couto escreveu uma frase que me ficou na memória e de que me recordo a propósito de muita coisa que se tem passado em Portugal, "um país pobre é aquele que em vez de produzir riqueza produz ricos". 
  
É precisamente o que ao longo das últimas décadas se tem passado e Portugal, Nunca se viram tantos ricos a aparecer e, todavia, o país não passa da cepa torta. Isto tem sido particularmente evidente nestes últimos três anos, não pararam de aumentar os milionários enquanto a miséria se vai multiplicando a céu aberto.
  
Nos últimos anos não surgiu qualquer grande investimento em Portugal, não foi criada uma nova empresa de sucesso, não se lançaram produtos novos no mercado. Algumas grandes empresas deixaram de o ser, empresas de referência definham, grandes empresas foram vendidas a quem mais deu a troca de liberdade para aumentar preços e taxas. O país não cresceu, a economia não se modernizou, o PIB encolheu mas há mais milionários.
  
Em Portugal já nem se fala de criação de riqueza, dispensam-se os mais jovens e mais capazes apontando-se-lhes as fronteiras, os mais ambiciosos e, para usar um termo muito na moda, os mais empreendedores partem. Numa economia sem concorrência, onde a corrupção é um meio de chegar a muitos fins, onde os governantes são personagens ridículas como se vê na Justiça ou no Ensino vencem os mais espertos e perdem os mais inteligentes, sobrevivem os mais fracos e partem os mais ambiciosos.
  
Elogiam-se as exportações mas não se questiona o que se exporta, chama-se investimento a dinheiro que não trás know how, não transporta capacidade de inovação, não procura criar riqueza, chama-se investimento a uma aquisição de uma casa se for um chinês a comprar, mas se for um português já é consumir acima das possibilidades. Manda-se um sector abaixo para acabar com a renovação das escolas ou para se adiar o túnel do Marão, mas criam-se vistos dourados para os chineses reanimarem o mercado imobiliário.
  
Não admira que os governantes ignorem o PIB, a inexistência de casos de sucesso, a total ausência de investimento na indústria portuguesa. O sucesso agora mede-se no desemprego que diminui porque os jovens partiram, nas exportações que aumentaram porque as empresas ficaram sem mercado em Portugal e exportam a qualquer custo, no equilíbrio das contas públicas porque se reduziram grupos sociais à miséria.
  
É neste país pobre e podre que um político odiado pela maioria dos portugueses vai a um parlamento dirigir-se aos deputados eleitos pelo povo que os partidos da oposição criam menos empregos do que a Remax. Tem toda a razão, os partidos da oposição não compram submarino, não escolhem os directores-gerais e os secretários-gerais corruptos, não alimentam as gorduras do Estado. Os partidos da oposição não criam empregos e, em contrapartida, os partidos do governo criam muitos empregos, enriquecem muita gente mas não promovem o aumento da produção de riqueza. Como diria Lavoisier nada se ganha, nada se perde, tudo se transforma e o que este governo tem feito não é enriquecer o país mas sim promover a transferência de riqueza através da austeridade e, mais recentemente, através de esquemas e mecanismos que estimulam e promovem a corrupção.
   
blog comments powered by Disqus