terça-feira, junho 23, 2015

O credor de Massamá

Na sua conferência de imprensa a seguir à reunião do Conselho Passos Coelho não falou como o primeiro-ministro de um  Estado-membro da EU, mas sim como um representante dos credores, diria mesmo que o representante do credor mais agressivo, o FMI. A reunião do Conselho realizou-se porque a Europa decidiu fazer agora o que já devia ter feito em 2010, elevar o debate para o plano da decisão política pois os problemas da Grécia, assim como os de Portugal, não se resolvem apenas garantindo a sustentabilidade da dívida, isto, é dando tranquilidade aos credores.
  
Já não estamos perante avaliações periódicas de técnicos de segunda linha a quem um primeiro-ministro de Portugal cumprimentava com uma vénia, mas sim um processo de negociação entre partes que são iguais, em que a soberania não é sublimada e onde o que está em causa não são os objectivos do FMI, mas sim os da EU que são bem mais exigentes e conformes com os valores da Europa. Daí que a expressão chave tenha sido a “solução duradoura”, entendendo-se esta como uma solução que seja viável a longo prazo e que traga progresso `Grécia e aos seus parceiros europeus.
  
Passos Coelho depressa se adaptou à nova realidade saída do conselho e não conseguiu esconder o seu desapontamento pela evolução das coisas. Para isso reinventou o alcance da expressão usada por François Hollande, entendendo-a como uma solução que tem como contrapartida a aplicação de mais austeridade da Grécia. Passos Coelho sofre do síndrome de Estocolmo e admirou de tal forma os credores nos tempos em que eles pensavam ser ocupantes de Portugal, que agora  já se comporta como um deles. Quem o ouviu falar não ouviu um primeiro-ministro de um Estado membro da EU, mas sim como o etíope Abebe Selassie ou como o indiano Subir Lall.
  
Passos Coelho não tem o mínimo de consideração pela Grécia, a sua formação e educação não lhe permite entender que na EU existem relações entre iguais e não relações de submissão aos poderosos em troca de comportamentos inaceitáveis com os que por passarem dificuldades estão numa posição de fragilidade. Para Passos Coelho a Grécia é governada por gente que ousou afirmar a soberania do seu país quando, no seu entender, não tinham direito a ela, que ousaram negociar com os credores quando quem pede deve aceitar, ousaram falar de igual para igual com os outros líderes europeus quando nesta circunstâncias um governante grego estava obrigado a fazer vénias até ao motorista do presidente da Comissão.
  
A estratégia de Passos Coelho era óbvia, encheu os cofres de dinheiro emprestado julgando que isso o pouparia às graves consequências de uma bancarrota da Grécia, para poder armar-se em pitbull dos credores, exigindo aos gregos a mesma postura que ele assumiu. Para Passos Coelho o sucesso da Grécia neste processo negocial é a sua derrota, significa a desmontagem de muitas das suas mentiras e a denúncia daqueles que transformaram o país num protectorado porque preferiam governar em nome dos credores e contra os seus concidadãos, do que serem governantes de um país soberano e apostados em defender os interesses desses cidadãos.
  
O papel que Passos Coelho está assumindo é ridículo, é um primeiro-ministro que anda com uma mão atrás e outra à frente mas disfarça as suas misérias e responsabilidades armando-se no credor de Massamá.

blog comments powered by Disqus