terça-feira, junho 23, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento

 photo _Faro-1_zpslikgalw6.jpg


Faro


 Fotos dos Visitantes
 photo _Murtosa_zpsqxpjhsfc.jpg


Barco moliceiro "Eu também passo recibo!", Murtosa (M. Henriques)


 Jumento do dia
    
Paula Teixeira da Cruz, ministra incompetente

Esta senhora é mesmo incompetente, depois de ter conquistado o coração dos grupos corporativos na justiça e de quatro anos de namoro apaixonado com os magistrados acaba por estragar tudo.

«A não aprovação do estatuto dos magistrados judiciais, cujo processo deu entrada nos primeiros dias de maio no ministério das Finanças (estando por isso ainda a decorrer), levou a Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) a decretar um corte de relações institucionais com a ministra da Justiça.

Em decisão da Direção Nacional, tomada no último sábado, mas só esta segunda-feira divulgada em comunidado, a ASJP usa palavras muito duras para criticar e atacar Paula Teixeira da Cruz.

"A atuação" da ministra do processo de revisão do estatuto, "associada às recentes declarações que proferiu na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, traduz uma violação grave dos deveres de verdade e lealdade institucionais que devem pautar a relação de um ministro da Justiça com os juízes e com a sua Associação", afirma a estrutura representativa dos juízes portugueses.» [Expresso]
  
 O FCP tem pijamas novos?
  
 photo _pijamas_zps4x7qfz7d.jpg

 ISS Symphony



 A troika e o FMI

Há uma grande diferença entre a dinâmica da UE e a logica do FMI, para a UE valores como a coesão social e o progresso são importantes, para o FMI importa apenas o equilibrio financeiro e isso deve ser conseguido sem grandes considerandos de natureza social. Para o responsável do FMI em Portugal, habituado a ver gente a morrer de fome em plena rua do seu país natal, pouco importa a dimensão da pobreza resultante das medidas que propõe, no FMI há muitos mais países pobre do que países ricos e as preocupações sociais não são a sua praia.

Outra grande diferença entre o FMI e a UE está no facto de nesta apenas poderem participar democracias e as políticas adoptadas devem respeitar esses valores. No FMI a questão da dem0cracia não é secundária como a história nos tem mostrado que para os responsáveis do FMI o equilíbrio financeiro está acima do sistema político, não tendo sido rara a aprovação de ditaduras.

Não admira, portanto, o comportamento indecoroso que a senhora Laagarde tem tido em relação a países como Portugal e Grécia, um comportamento mais próximo de uma "cabra" do que de uma ex-ministra da República Francesa.

 Gato faz baptismo de voo num ultra leve


      
 A mentira como método
   
«Depois da sessão de aquecimento em torno da emigração, eis que Passos Coelho mete prego a fundo na farsa dos mitos urbanos e decide oferecer aos portugueses um festival de mentiras como nunca antes visto. Que Passos Coelho mente, e mente reiteradamente, não é novidade. Mas, que me recorde, nunca o havia feito como na sexta-feira passada. Era o último debate quinzenal, e Passos Coelho deixou bem claro aquilo que pretende fazer até às eleições: mentir. Mentir repetidamente e sem qualquer tipo de pudor.

Não estamos a apenas a falar de falsas promessas, como dizer que não se vai cortar salários, não se vai despedir ninguém, não se vai acabar com o 13º mês e que se vai fazer austeridade apenas nas gorduras do estado e não nas pessoas. Isso era em 2011. Em 2015, depois de 4 anos a governar, para além de promessas mentirosas como no passado (como dizer a Bruxelas que pretende cortar nas pensões negando, em Portugal, que tal compromisso exista), há que acrescentar um outro tipo de mentiras, que são necessárias para ocultar o que se passou nos últimos 4 anos.

A troika, cuja vinda foi amplamente desejada, que foi uma aliada útil durante vários anos e que até pecava por défice de radicalismo no “ajustamento, passou a ser uma espécie de diabo que Passos heroicamente expulsou do país.

O IVA, que o memorando previa que fosse aumentado em 400 milhões de euros e que este governo aumentou em mais de 2000 milhões, nunca foi aumentado.

Os rendimentos dos mais pobres, apesar do brutal aumento do IVA e de praticamente todas as prestações públicas de combate à pobreza terem sido cortadas (Rendimento Social de Inserção, Complemento Solidário para Idosos, Complemento por Dependência), apesar da pobreza ter disparado, apesar do Orçamento de Estado para 2015 prever um novo corte de 100 milhões de euros em prestações sociais, não foram beliscados.

Os salários dos funcionários públicos e as pensões, que este governo insistiu obsessivamente cortar e que o Tribunal Constitucional, em 2013, 2014 e 2015, obrigou a devolver, estão a aumentar por mérito das políticas deste governo.

A educação, a saúde, a justiça nunca estiveram melhores. Aliás, o Estado, quer nos serviços públicos, quer no fisco, nunca funcionou tão bem e nunca foi tão amigo do cidadão como agora.

O investimento em ciência e na inovação, apesar da destruição dos últimos 4 anos, é uma grande aposta da atual maioria. O combate à pobreza que este governo criou também é.

O IRS, apesar do enorme aumento de impostos, superior a 30%, é agora amigo das famílias, apesar do governo ter optado por medidas regressivas de apoio às famílias com filhos que tratam os filhos de ricos de forma diferente dos filhos de pobres.

O consumo cresce sem recurso ao endividamento, apesar do crédito ao consumo ter disparado 30%.

As exportações nunca cresceram tanto, apesar de terem crescido bem mais antes deste governo entrar em funções e do crescimento presente ser, em grande medida, fruto de investimentos do passado, que não estão a ser feitos no presente.

O saldo externo positivo é uma reforma estrutural, apesar de ser, em grande medida, conjuntural, um produto da recessão e da queda das importações. No primeiro ano em que economia cresceu uns míseros 0.9% (depois de uma queda acumulada superior a 6%), as importações dispararam e o saldo externo degradou-se 30%. Os últimos dados conhecidos, apesar da desvalorização do euro e da queda do preço do petróleo, mostram que as importações continuam a crescer bem acima das exportações.

O investimento, apesar de ter caído 30%, regredindo a níveis de meados dos anos 80, dispara. O facto desse “disparar” ser explicado, não pelo investimento em sectores transacionáveis, como diz o Passos Coelho, mas pela compra de automóveis e pela construção (depois de colapsar, deu um pequeno suspiro), que não têm qualquer relação com o IRC – a grande reforma promotora do investimento deste governo – são pormenores irrelevantes.

O emprego, apesar dos 450 mil empregos destruídos, cresce espetacularmente. Passos Coelho garante que o emprego cresce por causa das reformas estruturais, que flexibilizaram o mercado de trabalho, e por causa da redução da dependência do Estado, apesar todos os recursos públicos (fundos europeus) usados para fabricar empregos (mais de 50% do “emprego” criado tem apoio público) e, sobretudo, apesar do emprego só ter deixado de cair quando o TC impediu Passos Coelho de concretizar o seu alucinado plano - anunciado no final de 2012 e reafirmado em abril de 2013 - de cortar 4 mil milhões de euros no Estado Social, em pensões e em salários da função pública.

A dívida pública, apesar das privatizações claramente além da troika, apesar de ter aumentado 30 pontos percentuais, mais do triplo do que o governo previa (dados que incluem todas as alterações de perímetro orçamental e de toda a dívida dita “escondida”), vai começar a baixar.

Há pouco, muito pouco da narrativa de Passos Coelho que não seja mentira ou, numa versão mais suave, uma aldrabice.

Há uma meia verdade, que é a história nos juros. Em 2011, de facto, os juros estavam elevadíssimos e eram incomportáveis. E os juros baixaram. Acontece que, da mesma forma que não foi Sócrates que fez disparar os juros da da Irlanda, da Espanha ou da Itália, também não foi Passos Coelho que, em 2012, fez baixar os juros de todos estes países, e muito menos foi Passos Coelho que, com a confiança gerada pelas suas políticas, fez com que os juros chegassem a níveis negativos. Por essa razão, da mesma maneira que foi a alteração do comportamento do BCE que permitiu pôr termo à crise das dívidas soberanas e baixar os juros, só o BCE pode evitar que Portugal volte a ser afetado por perturbações no mercado da dívida. Passar a ideia de que os juros estão baixos porque Portugal tem os cofres cheios, é não só falso como perigoso. Se algo de grave se passar, não são os cofres portugueses, por muito cheios que possam estar, que acalmam os mercados. No futuro, como no passado, o único cofre capaz de pôr termo a uma crise nos mercados da dívida é o BCE. Sugerir o contrário pode não ser considerado tecnicamente uma mentira, mas não é menos grave por isso.» [Expresso]
   
Autor:

João Galamba.
      
 Tempos de fartura
   
«Um inquérito sobre as intenções de férias dos portugueses, realizado pelo IPDT, indica que 52% vão tirar férias no período de junho a setembro, e destes pouco mais de metade vai viajar para fora da sua área de residência.

O inquérito do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), cujos resultados foram esta segunda-feira divulgados, mostra que, dos 52% de inquiridos que tencionam fazer férias nos meses de verão, pouco mais de metade (53%) pretendem viajar para fora da área de residência. Os restantes 47% planeiam ficar por casa.

Em 2014, os dados de um inquérito anterior realizado pelo IPDT mostravam que 50% dos inquiridos iriam fazer férias entre junho e setembro. Destes, uma fatia de 67% planeavam sair da área de residência.» [Observador]
   
Parecer:

Parece que os efeitos da austeridade tendem a fazer-se sentir ainda mais.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao senhor de Boliqueime.»
  
 Raismo no governo de Israel
   
«"Sabem o que é um café Obama? Preto e fraco". A piada racista caiu ainda pior por ter partido da mulher de Silvan Shalom, vice-primeiro-ministro israelita do Interior.

Segundo o Daily Mail, pouco depois da publicação, Judy Nir Mozes Shalom apagou o tweet e pediu desculpa, explicando que se tratava de "uma piada estúpida" que alguém lhe tinha contado.

Cerca de uma hora depois, dirigia as suas mensagens diretamente a Barack Obama: "Presidente Obama não devia ter escrito a piada inapropriada que ouvi. Gosto das pessoas independentemente da sua raça e religião".» [Notícias ao Minuto]
  


 Assessor económico
   
«O assessor económico de Pedro Passos Coelho, Rudolfo Rebelo, reagiu ao actual momento europeu para criticar o Governo grego.

Num comentário na rede social Facebook, acusou o governo de Tsipras de ser responsável por “seis meses perdidos” e de não conseguir perceber a diferença entre a liderança partidária e a responsabilidade executiva: “Todos sabemos que no mandamento marxista (mesmo de Trotski), partido e Estado confundem-se. É assim. O Parlamento é apenas figurante”, escreveu. 

E Rudolfo Rebelo questionou ainda as consequências das ameaças gregas. “Não pagar ao FMI significa que as Índias e os Paquistãos (e outros do terceiro mundo) terão de entrar "pela madeira dentro" e substituir-se no seu pagamento (de acordo com a sua quota no FMI). Sendo assim, onde está a solidariedade grega para com os povos famintos?”» [Público]
   
Parecer:

Pensava que este senhor era um jornalista especializado na violação do sigilo fiscal, como aconteceu com os dados de Paulo Macedo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Recomende-se aos enhor algum esrtudo e uma melhoria da linguagem.»

   
   
 photo Dmitry-Zverev-5_zpsg7f8qtym.jpg

 photo Dmitry-Zverev-3_zpsnidee5bh.jpg

 photo Dmitry-Zverev-4_zpshslawksj.jpg

 photo Dmitry-Zverev-1_zpskb0c3vhr.jpg

 photo Dmitry-Zverev-2_zpsbz7rb0xk.jpg
  
blog comments powered by Disqus