quarta-feira, maio 25, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do dia
    
Assunção Cristas, uma espécie de líder partidário

A necessidade de falar de tudo como se fosse dominasse todos os dossiers, ao mesmo tempo que fustiga o governo por tudo e por nada, está conduzindo a líder do CDS para situações ridíocula. Dizer que as dúvidas sobre o imposto sucessório está levando os investidores estrangeiros a não apostar diz tudo sobre a facilidade com que esta senhora diz bacoradas. Parece que na opinião de Assunção Cristas receia que os investidores tenham medo de morrer investindo em Portugal pois seriam expropriados.

 Demitida

 photo Demitida_zpsyoxo3rq9.jpg

Algo está muito mal e podre quando um governo nomeia por supostos concursos  os seus prórpios políticos para ficarem à frente das mais importantes instituições do Estado. O governo tinha à frente da Segurança Social alguém que no Facebook não se afirma nem como gestora, nem como técnica, mas como política. Enfim, começa a perder-se a vergonha e por isso foi bem demitida.

 Enfim, as criancices da JSD

 photo Putos_zpsoha6ckj7.jpg

      
 O nosso espião, o russo dele e o Facebook de todos
   
«Pode faltar-nos tudo - dizia Millôr Fernandes sobre o Brasil -, dinheiro, saúde e emprego, mas assunto é que não... Pois, também a nós já começa a não nos faltar assunto. Antes, abrir um jornal era a mesmice política ou tricas de futebol. Agora, até parece sermos um país digno de enredo: Bourbons que se juntam a bruxos da Areosa, sequestros e bidões de ácido para fazer desaparecer corpos. Por este andar ainda vamos ter um filme nacional com detetives, loiras platinadas e bandidos a sério. Estávamos com essas promessas e, ontem, tudo se confirmou. Deixem-me dizê-lo sem os alegados e talvez que tiram exaltação às notícias, em bruto, pois: um espião português foi apanhado a passar segredos a um espião russo. Em Roma. Até aqui, os únicos segredos que vendemos bem, os dos pastorinhos, foi exatamente ali ao lado, na cidade do Vaticano. Voltámos, pois, ao local do crime e com um espião russo! Ainda há semanas, com o arquivo Mitrokhin, o Expresso quis reanimar o KGB, mas aquilo cheirava a naftalina. Agora, é fresquíssimo. O nosso espião até tem Facebook, com páginas que não teve tempo de apagar quando foi ali ao café, ao lado do Tibre, levar segredos. Deixou-nos um, aliás. No mês passado, ele escreveu um post, com foto sua e nome, e esta mensagem para si próprio: "O que está escrito nas estrelas? Dia 15 de abril: serás promovido." Se calhar, não foi, e teve de arredondar os fins de mês de outra forma.» [DN]
   
Autor:

Ferreira 

      
 Santana Lopes mudou de ideias
   
«O provedor da Santa Casa de Lisboa, Pedro Santana Lopes, não descartou uma candidatura à Câmara de Lisboa em 2017 se alguém lhe “vier bater à porta”, salientando, contudo, que não tem nada tratado nesse sentido.

“Nunca se sabe o que a vida nos traz”, afirmou, quando questionado acerca de uma eventual candidatura à presidência da Câmara de Lisboa nas próximas eleições autárquicas, em 2017.

“Não tenho nada tratado nesse sentido, nem falado, nem planeado, nem projetado, nem tempo, com toda a franqueza, para pensar. Se alguém me vier bater à porta, logo farei a conversa que considerar adequada, que será igual provavelmente às conversas que fiz noutras ocasiões sobre matérias idênticas”, acrescentou.» [Observador]
   
Parecer:

Quando foi reconduzido na Santa Casa disse que não se iria candidatar [Expresso].
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Santana Lopes qie se demita da Santa Casa para preparar tranquilamente a sua candidatura.»
  
 Marcelo só provocará instabilidade depois das autárquicas
   
«O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que não dará um passo para provocar instabilidade no ciclo político que vai até às autárquicas, que se realizam no outono de 2017.

"Desiludam-se aqueles que pensam que o Presidente da República vai dar um passo sequer para provocar instabilidade neste ciclo que vai até às autárquicas. Depois das autárquicas, veremos o que é que se passa. Mas o ideal para Portugal, neste momento, é que o governo dure e tenha sucesso", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República respondia a perguntas dos jornalistas sobre as relações com o primeiro-ministro, no final de uma visita ao Exército, no Regimento de Comandos, Amadora.» [DN]
   
Parecer:

Aguardemos pelo espectáculo e esperemos que ninguém se arrependa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»
blog comments powered by Disqus