quinta-feira, setembro 04, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _galinha_zps54c18e58.jpg

Aves de Lisboa: galinha-de-água no Jardim Gulbenkian
  
 Jumento do dia
    
Pires de Lima

Pires de Lima parece não perceber a diferença ntre ser dono da TAP e ser ministro da tutela e só isso justifica as sucessivas intervenções que tem feito a propósito dos incidentes ocorridos com os aviões da companhia, dando ainda maior impacto mediático aos mesmos.

«Para o ministro da Economia, a segurança dos aviões da transportadora aérea nacional nunca esteve em causa, conta o Jornal de Negócios. Ainda assim, a intenção passa por reunir-se com a administração da TAP já durante este mês. Objetivo: fazer um balanço da atividade da empresa nos últimos meses.» [Notícias ao Minuto]

 A selecção apresenta-se renovada

O Meireles tem uma tatuagem nova.

 A marionette in Manhattan



      
 A anedota do dia
   
«De acordo com o noticiado esta quarta-feira pelo Diário Económico, o governador do Banco de Portugal apenas teve acesso a dados concretos sobre o problema no BES no dia 25 de julho, altura em que a KPMG entregou ao supervisor dados preliminares relativos a imparidades registadas no banco que até há dias tinha sido liderado por Ricardo Salgado.

Porém, apenas no dia 28 esses dados passaram a números concretos, com os auditores do BES a revelarem um esquema de emissão e recompra de obrigações próprias que tinha gerado um buraco de 1,2 mil milhões de euros.

“Apenas no dia 25 de julho – 19 horas –, em reunião entre elementos do BdP e da KPMG, foram apresentados os valores preliminares das contas do primeiro semestre, incluindo a primeira estimativa das perdas associadas às operações de emissão e recompra de obrigações próprias”, revela fonte oficial do banco central português ao Económico.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Parece que o Ti Costa andava mesmo muito distraído... provavelmente por andar muito ocupado a elogiar o governo e as suas políticas esqueceu-se de fazer o que lhe cabia fazer.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
  
 Autarcas apoiam Costa
   
«Oitenta e um dos 150 presidentes de câmara socialistas assinaram um manifesto de apoio à candidatura de António Costa nas eleições primárias de 28 de setembro. 

Argumentam os autarcas que Costa tem "a visão, a coragem e a determinação" que lhe permitirá levar a cabo "uma estratégia que vá muito além das vistas curtas e do curto prazo, e que aposte em valores tão caros aos autarcas como descentralização e proximidade".

A lista de subscritores do manifesto, divulgada esta quarta-feira de manhã pela candidatura de António Costa, permite de alguma forma antever as zonas do país em que o adversário de António José Seguro leva vantagem, em termos de apoios: distritos como Lisboa, Évora ou Faro e o arquipélago dos Açores são-lhe maioritariamente favoráveis.  » [Expresso]
   
Parecer:

Por este andar os únicos apoiantes do Seguro é o pessoal da São Caetano à Lapa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Os contribuintes também terão de ajudar o BCP?
   
«O BCP é considerado um dos bancos com maior probabilidade de chumbar nos testes de stress que o BCE vai realizar. A conclusão pertence a um inquérito feito pelo Goldman Sachs, segundo o qual os investidores estimam que 9 dos 130 bancos não vão passar nos testes e que o sector vai precisar de reforçar capital em 51 mil milhões de euros.

Os testes de stress que o Banco Central Europeu vai realizar deverá resultar na necessidade de os bancos europeus terem de reforçar capital em cerca de 51 mil milhões de euros. A conclusão resulta de um inquérito mundial feito pelo Goldman Sachs junto de 125 investidores institucionais.

O mesmo estudo revela que 9 das 130 instituições que vão ser "testadas" deverão chumbar, com os bancos italianos, gregos e alemães a liderarem as necessidades de capital.» [DN]
   
Parecer:

Mas que grandes banqueiros.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»

 Mais um sucesso do Opus Macedo
   
«Um doente morreu na terça-feira em Évora sem ter acesso a resposta da VMER de Évora, que estava inoperacional nesse dia falta de recursos humanos. A viatura foi chamada a socorrer um doente em paragem cardiorrespiratória, que acabou por morrer, confirmou hoje o hospital. É o terceiro caso de morte sem assistência em Évora.

Fonte do gabinete de comunicação do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) disse à agência Lusa que a VMER não esteve operacional no turno entre as 08:00 e as 16:00, por falta de recursos humanos.

Este é o terceiro caso conhecido, envolvendo vítimas mortais, em que a VMER de Évora está indisponível quando é solicitada para uma situação de emergência, depois de, em abril deste ano, não ter participado no socorro a dois homens que sofreram um acidente, perto de Reguengos de Monsaraz, e que acabaram por morrer.» [DN]
   
Parecer:

O que seria do SNS sem o brilhantismo e capacidade de gestão do grande Opus Macedo?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Cavaco atrapalhado
   
«O caso Espírito Santo parece estar a gerar alguma intranquilidade no Palácio de Belém, levando a Presidência da República a publicar esta terça-feira no seu site uma nota de imprensa em que recupera declarações feitas por Cavaco Silva em 21 de julho sobre o Grupo Espírito Santo (GES).

Nesse dia, o Chefe de Estado estava em Seul em visita oficial à Coreia do Sul e respondeu a esta pergunta de um jornalista: "Como tem o senhor Presidente acompanhado nas últimas semanas a situação no Grupo Espírito Santo? E gostaria de lhe perguntar também se encara a possibilidade de esta situação ter consequências na economia portuguesa".

No seu site, os serviços da Presidência recuperam, na íntegra, a resposta de Cavaco Silva 42 dias depois de a mesma ter sido proferida, "por uma razão de transparência".

Esta prática da Casa Civil do Presidente é pouco usual e surge um dia depois de o advogado Miguel Reis, um dos responsáveis pela defesa do consórcio de pequenos acionistas lesados pelo BES, ter dito numa entrevista ao jornal "i" que "quando a crise já estava ao rubro, já depois do aumento de capital, houve clientes que foram convencidos, de forma fraudulenta e enganosa, a transformar depósitos em ações, com base nas sucessivas declarações do Presidente da República e do governador do Banco de Portugal".

Os serviços da Presidência optaram assim por recuperar as declarações feitas em Seul pelo Presidente Cavaco Silva: "Eu considero, pela informação que tenho, que o Banco de Portugal, como autoridade de supervisão, tem vindo a atuar muito bem para preservar a estabilidade e a solidez do nosso sistema bancário".

O Chefe de Estado lembrou então que existia uma "diferença entre a área financeira do Grupo Espírito Santo e a área não financeira" e que "mesmo em Portugal há alguma confusão entre estas duas áreas".» [Expresso]
   
Parecer:

Cavaco Silva parece estar incomodado com as palavras do advogado dos pequenos accionistas do BES e defende-se com declarações que nada esclarecem. A verdsade é que Cavaco tem um problema com acções, quando era primeiro-ministro mandou a bolsa de valores de Lisboa ao fundo, mais tarde fartou-se de ganhar dinheiro com acções da SLN e defendeu-se das dúvidas dizendo que nada percebia de acções e agora veio em defesa do BES declarando haver diferença entre a área financeira e não financeira do GES.

Cavaco bem pode ir procurar o que disse ou escreveu no passado, a verdade é que as suas declarações eram no sentido de tranquilizar accionistas e depositantes e vieram a revelar-se desastrosas para quem acreditou e confiou nele. Se usou ou não as palavras do governador do BdP pouco importa, só revela o padrão de coragem deste presidente.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Cavaco que não esteja nervoso.»

 Desta vez o Durão Barroso lixou-se
   
«Durão Barroso tem um dia para retirar as citações atribuídas a Putin numa conversa telefónica entre os dois, em que o líder russo terá dito que, se quisesse, invadiria Kiev em duas semanas, ou o Kremlin ameaça divulgar toda a conversa entre os dois líderes. O aviso veio do embaixador da Rússia em Bruxelas, Vladimir Chizhov.

O clima entre Bruxelas e Moscovo está cada vez mais pesado. Barroso terá falado demais (de propósito ou não, não se sabe) e contado a alguns dos comissários a sua conversa com Vladimir Putin de 29 de agosto, em que o Presidente terá dito que a Rússia pode conquistar Kiev “em duas semanas”. As declarações apareceram no jornal italiano “La Repubblica” e agora o Kremlin quer que Barroso esclareça publicamente o contexto da conversa até esta quinta-feira.

“Estou convencido que partilhar informação de conversas confidenciais a este nível vai muito para além do que é geralmente aceite nas relações diplomáticas”, Vladimir Chizhov

Caso isto não aconteça, Vladimir Chizhov lembra a Comissão Europeia que Moscovo tem “transcrições e registos áudio” da conversa, que não hesitará em publicar para esclarecer o contexto das declarações do presidente russo. Na carta enviada a Durão Barroso, Chizhov ameaça divulgar a conversa “na sua totalidade”, caso os esclarecimentos por parte das autoridades europeias não sejam feitos até quinta-feira.» [Observador]
   
Parecer:

Tem-se escapado muitas vezes, é tempo de alguém lhe dar alguns tabefes.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
 Estes ucranianos são um bocado aldrabões
   
«Afinal, o cessar-fogo alegadamente acordado entre o Presidente da Ucrânia e o líder russo poderá não ser bem um cessar-fogo. Ou talvez apenas não tenha ficado acordado. A Ucrânia, que anunciou esta manhã ter chegado a acordo com a Rússia, volta agora com a palavra atrás e diz não ser bem assim.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

A propósito de mentiras, já se sabe mais alguma coisa sobre o avião malaio que supostamente foi abatido pelos separatistas?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se.»
  
 Será piada?
   
«As entrevistas não passam de formalidades e aparentemente Jean-Claude Juncker já tem a sua equipa quase fechada e as pastas todas atribuídas. Um diagrama a que o Financial Times teve acesso mostra que na nova Comissão Europeia vai haver seis super-comissários que vão coordenar grandes áreas de ação, entre os quais dois serão mulheres. Carlos Moedas, segundo este esquema, será o novo comissário do Emprego e dos Assuntos Sociais, conseguindo assim a cobiçada pasta económica.» [Observador]
   
Parecer:

O moedas arranjou um bom emprego e levou a pasta do emprego! Só pode ser piada, um jiahdista do liberalismo fica com uma pasta que segundo as suas concepções nem faz sentido existir, uma pasta que cheira que tresanda a keynesianismo, mas para ficar com um tacho destes os Moedas até vendem a alma ao diabo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se porque não levou nada qe se relacionasse com a banca.»
  

   
   
 photo ElizabethE-3_zps0f2a0bcd.jpg

 photo ElizabethE-1_zps542e4a5a.jpg

 photo ElizabethE-2_zpsf95e75d9.jpg

 photo ElizabethE-4_zpsdd40f21f.jpg

 photo ElizabethE_zpsb6645807.jpg
  
blog comments powered by Disqus