quarta-feira, maio 29, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo Abrantes_zps9e0842c8.jpg
  
Abrantes
   
Imagens dos visitantes d'O Jumento
 
 photo Maputo_zps66682e66.jpg
   
Praça da Independência, antiga Praça Mouzinho de Albuquerque, Maputo [J. de Sousa]
   

 O bruxo de Fafe para ministro das Finanças. Já!

 photo Bruxo_zpsc39284b9.jpg

O Bruxo já acertou três vezes, o Gaspar não acerta uma!

 Será impressão minha

Ou uma boa parte do governo anda a jogar às escondidas. Tudo leva a crer que estão todos escondidos, incluindo Cavaco Silva, cabendo ao Álvaro a tarefa de os apanhar.
 
 Não digas o que pensas de Cavaco Silva

É crime e se todos os portugueses cometerem o crime de dizer o que pensam dele serão necessárias muitas Quintas da Coelha para os prender.


  
 Cavaco e Sousa Tavares
   
«A investigação do Ministério Público a uma declaração de Miguel Sousa Tavares sobre Cavaco Silva não tem piada. Os assuntos de Estado são sérios, muito sérios.

O Código Penal prevê cadeia e multas para quem ofenda a honra do Presidente da República e para quem "ultraja" (sic) os símbolos nacionais: bandeira e hino. O Presidente representa a República, garante a independênia nacional, a unidade do Estado, o regular funcionamento das instituições e jura fazer cumprir a Constitução.

Num país que levasse os seus símbolos e a honra do Presidente a sério, todas as escolas, esquadras, tribunais, hospitais e outros edifícios públicos teriam, neste momento, a bandeira nacional hasteada e o retrato de Cavaco Silva exposto nos locais mais frequentados. Todos os funcionários da administração central ou autárquica saudariam a bandeira e cantariam o hino em diversas reuniões coletivas, formais ou informais.

A Constituição (em particular o que ela define sobre instituições democráticas, símbolos nacionais e órgãos de soberania) seria ensinada nas escolas.

Se quiséssemos manter vivo o respeito pelas instituições e pelos símbolos nacionais, o próprio amor pelo País, era isto que faríamos como, aliás, acontece em muitas velhas democracias. Mas não...

A repulsa pelo Estado Novo fascista - cujo nacionalismo colonialista se apropriou dos símbolos nacionais - classificou qualquer cerimonial de cariz patriótico ao nível da palhaçada. Foi o fim generalizado de sinais públicos de respeito pelo País. Sobrou apenas um hábito, com sabor anacrónico - cantar o hino em jogos de seleções.

Os presidentes da República que tivemos, desde há 38 anos, aceitaram isto. Não se deram ao respeito. Por isso, a democracia portuguesa de hoje recusa salamalaques aos seus símbolos. Por isso, o artigo do Código Penal invocado pelo Ministério Público até soa a lei antidemocrática.

Com Cavaco Silva a degradação agravou-se. Ele falhou nas suas funções presidenciais básicas: contribuiu, com parte da classe política, para a perda da independência económica do País; fez vista grossa a constantes e variadas agressões à Constituição; foi complacente com os atropelos ao normal funcionamento das instituições democráticas e às ameaças à unidade do Estado que ocorreram, frequentemente, na ilha da Madeira.

O político Cavaco Silva descredibilizou-se: o seu gabinete meteu-se em conspiratas contra o primeiro-ministro Sócrates; ele próprio foi confrontado na imprensa com a compra de uma casa e uma ligação ao BPN que afetou a sua reputação; viu políticos que o acompanharam serem suspeitos de crimes; afastou-se do povo ao queixar-se faltar-lhe dinheiro para despesas; não desmente ter entrado em conflito com o Conselho de Estado por causa do comunicado final.

Cavaco Silva, para se sentir com dignidade de Estado, usa, pela segunda vez, o aparelho de Estado para castigar hipotéticas ofensas à instituição que, sem inocência mas sem culpa exclusiva, não consegue dignificar. Uma tristeza decadente, um reflexo do País.» [DN]
   
Autor:
 
Pedro Tadeu.
   
     
 Se não é, parece!
   
«Como acha que se encontra neste momento a situação de Paulo Portas no governo?

Paulo Portas tem sido chantageado pelo governo por causa do processo dos submarinos e dos carros de combate Pandur. Quando, pela primeira vez, Portas admitiu que estava a ponderar se ficava ou não, o caso dos submarinos voltou à primeira linha. E isso obriga-o a continuar no governo. O medo é que manda na vinha..» [i]
   
Parecer:
 
A haver chantagem o grave não está na figura triste de Portas que até gosta mais do poder do que um macaco de bananas, mas sim na possibilidade de utilização da justiça.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se à Procuradora-Geral se já abriu um inquérito a Soares por ofensas ao Ministério Público, aplicando o artigo do Código Penal que prevê uma pena para quem ofenda as instituições públicas.»
      
 A banca ainda vai pedir o fim da austeridade!
   
«Segundo o relatório de Estabilidade Financeira, divulgado nesta terça-feira pelo Banco de Portugal, é essencial que as instituições financeiras nacionais preservem os seus níveis de capital, dadas as perspetivas adversas para o futuro próximo da economia portuguesa e o novo quadro regulamentar europeu.
  
O relatório requer que, apesar do ajustamento já observado nos bancos portugueses, o endividamento do setor privado mantém-se em níveis elevados.» [CM]
   
Parecer:
 
Já faltou mais, um dia destes até o senhor Costa se passa!
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao senhor Costa se continua um taliban da austeridade.»
   
 Paulo Macedo 1 - 0 Gaspar
   
«Em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia de entrega dos prémios de investigação do Centro Hospitalar do Porto, Paulo Macedo considerou que, “em termos de emprego, a saúde é claramente um setor privilegiado”, explicando que isto acontece “pelo nível de diferenciação dos seus profissionais e também pelas necessidades que os portugueses têm”.

“Em termos médicos, o que nós temos é claramente ainda uma necessidade em diversos setores bastante forte, designadamente nos médicos de família”, avançou, explicando que, apesar do acordo feito para passar a ter mais horas médicas para prestar assistência, é ainda preciso “contratar bastantes mais médicos de medicina geral e familiar”, assim como “em várias outras especialidades”.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:
 
Paulo Macedo começa a ser o símbolo da pouca competência neste governo por oposição à incompetência do ministro das Finanças. Enfim, parece que um ex-director-geral da DGCI do ISE é mais competente do que um "Católico" ex-director do gabinete de estudos do BCE.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
   
 Bebam água que Deus não se importa!
   
«Depois da falta de papel higiénico começa agora a faltar vinho e hóstias para a celebração das missas na Venezuela, devido à crise de abastecimento que o país está a viver, avança a BBC.

A produção de vinho teve de parar por não haver os produtos necessários. “O Bodegas Pomar disse que já não pode fazer o vinho porque estão a ter dificuldades", afirmou o porta-voz da Igreja Roberto Lucker, à BBC, acrescentando que a reserva deste produto deve dar para dois meses no máximo. 

Mas os problemas da Igreja Católica da Venezuela não ficam por aqui. As missas vão mesmo ficar mais pobres, uma vez que, além do vinho a Igreja também pode ficar sem hóstias. 

“Os fabricantes de hóstias disseram-nos que vão ter que aumentar os preços porque não conseguem encontrar farinha suficiente. O trigo não é cultivado aqui, é importado”, lembrou Roberto Lucker.» [Notícias ao Minuto]
   

   
   
 photo Suryan-5_zpsfd35111d.jpg
  
 photo Suryan-4_zps59eed2a7.jpg
   
 photo Suryan-3_zps092f8bbd.jpg
   
 photo Suryan-2_zpsfa801b5b.jpg
  
 photo Suryan-1_zps1bdc30e3.jpg
blog comments powered by Disqus