sexta-feira, outubro 28, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura

 Jumento do Dia

   
Teodora Cardoso, economista da oposição

Enquanto economista da oposição a licenciada Teodora Cardoso pode tecer as considerações que entender, fazer as insinuações que lhe vierem à cabeça ou tecer as considerações que em entender quanto às posições da Comissão Europeia. Mas enquanto presidente dessa coisa que não serve para nada inventada por Passos Coelho e se chama Conselho das Finanças Públicas Teodora Cardoso deve limitar-se a respeitar as funções desse órgõ e a missão do CFP é clara:

«O Conselho das Finanças Públicas (CFP) tem como missão proceder a uma avaliação independente sobre a coerência, o cumprimento dos objetivos definidos e a sustentabilidade das finanças públicas, promovendo, simultaneamente, a sua transparência. Desta forma, o CFP deverá contribuir para a qualidade da democracia e das decisões de política económica, reforçando a credibilidade financeira da República.» [CFP]

Não cabe a este Conselho avaliar o que faz, diz ou pensa a Comissão e muito menos valorizar ou desvalorizar as suas posições, no desempenho das suas competências, sobre a política orçamental portuguesa. Além, de um abuso por parte de Teodora Cardoso é um desrespeito elementar de normas cde convivência entre as instituições portuguesas e a Comissão.

É óbvio que Teodora Cardoso pode dizer o que lhe vai na gana, pode pedir a Passos Coelho um lugar de vice no PSD ou mesmo falar a título pessoal. Pode e tem direito a fazê-lo, se acha que ajuda o país até tem o dever cívico de o fazer. Mas não pode usar o CFP para dizer as suas posições, que são pessoais por extravasarem a missão do órgão a que preside.

Para lançar a descrença dos mercados em relação a Portugal já nos basta o ministro das Finanças, que aparece sempre que Passos Coelho e a extrema-direita chique precisam de ajuda. Agora parece que sempre que o Wofgang aparece, surge logo de seguida a Teodora, já começam a parecer o Statler e o Waldorf , os dois velhos da série Os Marretas.

«A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP) afirmou esta quinta-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2017 (OE2017) vai ser aprovada pela Comissão Europeia, "mas não necessariamente pelas boas razões".

"Se tivesse de apostar, diria que [o OE2017] passava [em Bruxelas], mas não necessariamente pelas boas razões. Chumbar um orçamento é extremamente difícil, é um bocado como as sanções. Toda a gente fala delas, mas é difícil implementar e, com o orçamento que temos, isso seria ainda mais difícil", afirmou Teodora Cardoso, esta manhã, numa conferência organizada em Lisboa pela Ordem dos Economistas, acrescentando que "o orçamento não justificaria o chumbo liminar de maneira nenhuma".» [Expresso]

 O espanhol de Marcelo

O castelhano de Marcelo está ao nível do de Jorge Jesus, só que um tem sotaque da Amadora e o outro de Cascais.

 O livro de Fernando Lima, nota final

Fernando Lima não esperou que a vingança arrefecesse e serviu-a ainda bem quente, não hesitou em usar documentos que produziu enquanto assessor de Cavaco Silva e, por isso mesmo, estão protegidos pela confidencialidade que merecem todos os documentos internos do Estado, não se preocupou em assumir que encomendava investigações privadas e ilegais a adversários políticos, não ficou incomodado por poder denunciar violações do segredo de justiça, Cavaco não caminho para velho e a raiva não se conseguia manter contida.

Lemos o livro e confundimos Fernando Lima com Cavaca, ele próprio não se cansa de explicar comportamentos de Cavaco com notas que lhe terá escrito, fica no ar que lhe poderá ter escrito os roteiros e chega a sugerir que a baboseira da ajuda de Nossa Senhora de Fátima na saída limpa era resultado da sua perda de influência, como se houvesse um Cavaco brilhante porque era por ele influenciado e um Cavaco bem pior quando influenciado pela família.

Vemos no esquema mental muito daquilo que durante anos nos habituamos a ver em Cavaco, a mesma mesquinhez, a mesma dificuldade em separar adversários de inimigos, os mesmos ódios, a mesma pequenez. Ficamos sem perceber se era Cavaco que se tinha transformado em Fernando Lima ou se foi o Fernando Lima que se transformou num pequeno Cavaco.

Há ao longo de todo o livro demasiados fantasmas, demasiadas conspirações, a realidade é confundida com imaginação e até este pobre Jumento, que nunca viu Sócrates mais gordo, que nunca tinha dado pela existência do pobre Toneladas, foi transformado num grande inimigo do Cavaquismo, foi necessária muita imaginação para transformar um mero blogue num grande inimigo, mas deu jeito para o desenrolar de uma fábula imaginativa. Reconheço a minha aversão ao cavaquismo e ao que ele representou para o país, mas não me passou pela cabeça que uns escritos redigidos à pressa, a partir das edições online da comunicação social se transformasse no maior inimigo do Cavaco, chegando ao ridículo do caso das escutas.

Vale a pena ler o livro de Fernando Lima, é uma preciosa ajuda para perceber o cavaquismo e entender a razão porque tão depressa foi esquecido pelo país. O livro de Fernando Lima é uma manifestação do avançado estado de decomposição do cavaquismo. Mas ajuda a perceber por quem fomos governados, em quem votámos para a presidência, o que se passou em Belém nos últimos dez anos.

      
 O futebol Português no se melhor
   
«Agressões em campo, violência nas bancadas, ameaças aos treinadores. São estas as queixas que levaram 12 clubes da 1 da Divisão de Elite a decidir não comparecer aos jogos com o Canelas 2010, de Gaia, equipa em que alinham alguns elementos da claque dos Super Dragões, entre eles Fernando Madureira, conhecido como Macaco.

No Youtube, há vários vídeos que demonstram algumas das situações de que os adversários do Canelas se queixam.

O problema já não é novo. Na época passada, muitos presidentes dos clubes adversários do canelas falaram ao jornal Record do "clima de terror e intimidação" que se sentia nos jogos, tanto em campo como fora dele.» [DN]
   
Parecer:

Aquilo é pior do Alepo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao Ti Pinto da Costa.»
  
 Quem se mete com o senhor deputado leva
   
«Um homem de 72 anos residente em Coimbra vai ter de pagar 4200 euros por um crime de difamação contra o deputado do PSD Carlos Peixoto, segundo um acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra (TRC).

O arguido tinha sido condenado pelo Tribunal de Gouveia ao pagamento de 1200 euros de multa, além de uma indemnização de três mil euros ao deputado social-democrata, mas recorreu para o TRC que confirmou agora a decisão.

Em causa está uma carta aberta escrita pelo septuagenário, reformado, em resposta a um artigo de opinião do parlamentar, no qual este se referia ao envelhecimento da população portuguesa como a "peste grisalha".

Na missiva, o arguido dá a entender que Carlos Peixoto tem aversão aos idosos e usa expressões que, segundo os juízes desembargadores, são "insultuosas e susceptíveis de abalar a honra e a consideração pessoal, política e familiar do assistente".

Para os juízes desembargadores, a carta aberta, que foi publicada num jornal local em 2013, "nada tem a ver com o confronto de ideias e apenas pretende rebaixar o assistente".» [Público]
   
Parecer:

Já Passos Coelho pode chamar mentiroso ao presidente da CGD que não faz mal, os deputados defendem-se do povo com a imunidade parlamentar.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Passos não esperou pela demora
   
«Ainda ontem, no Conselho Nacional do PSD, no Hotel Sana, em Lisboa, Pedro Passos Coelho dizia que será candidato a primeiro-ministro. Quem tiver um caminho diferente que apareça, desafiou o ex-primeiro-ministro, como conta hoje o PÚBLICO. 

Passos Coelho sabe não tem adversários internos que se assumam como candidatos ao seu lugar de líder do PSD, mas isso não impede que haja movimentações de militantes descontentes com o partido. É nesse contexto que nasce este quinta-feira o movimento Portugal Não Pode Esperar, dinamizado por cinco dezenas de pessoas de várias idades e regiões do país, entre autarcas, dirigentes nacionais, deputados e ex-deputados, antigos governantes e membros da JSD. O nascimento foi noticiado em primeira mão pela última edição da revista Visão, mas há mais de três meses que andava na forja.

“Não podemos assistir ao sufoco fiscal que o Orçamento para 2017 propõe sem reagir apresentando alternativas”, lê-se num comunicado enviado às redacções, dando conta da primeira reunião da comissão executiva do grupo esta quinta-feira, dia 27, num jantar. “Procuraremos assumidamente contribuir para suscitar e desenvolver a discussão política no nosso partido com o propósito de fortalecer o PSD e recolocar-nos como o partido liderante no panorama político nacional.”

Pedro Rodrigues, ex-líder da JSD e ex-deputado, é um do rostos do Movimento Portugal Não Pode Esperar. Ao PÚBLICO, o social-democrata explica que este será um movimento “intergeracional, transversal e com representatividade regional, porque o PSD não pode ser só Lisboa”.» [Público]
   
Parecer:

Pediu aos seus opositores que parecessem e parece que lhe fizeram a vontade.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se uma cadeirinha na primeira fila da plateia.»

 É preciso ter muita lata
   
«O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Frank Walter Steinmeier, está esta quinta-feira a Lisboa de forma discreta para se encontrar com António Guterres, secretário-geral eleito das Nações Unidas, para lhe transmitir o apoio da Alemanha na liderança da ONU — depois de ter ajudado a candidatura de última hora de Kristalina Georgieva, apurou o Observador junto de duas fontes com conhecimento da visita.

O chefe da diplomacia alemã não tinha outra agenda para além deste encontro e não fez qualquer anúncio público da visita. A passagem de Steinmeier por Lisboa calhou num dia em que o ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva está fora do país para participar na Cimeira Ibero-Americana. Segundo uma fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros, “a visita foi previamente articulada com o MNE português, que só não participa no encontro por se encontrar na Colômbia”.

Segundo fonte da embaixada alemã em Lisboa, o encontro acontece para transmitir a António Guterres que “pode contar com o apoio da Alemanha” durante o seu mandato como secretário-geral das Nações, cargo que irá desempenhar a partir de janeiro. A intenção da diplomacia alemã é garantir ao novo secretário-geral das Nações Unidas que vai poder continuar a contar com a Alemanha como um parceiro forte das Nações Unidas, lembrando até o trabalho que em conjunto entre os dois quando António Guterres liderava o alto-comissariado para os refugiados.» [Observador]
   
Parecer:

É ainda mais hipócrita do que o seu colega Wolfgang.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

 Estarão doentes?
   
«O insólito episódio é relatado pelo jornal A Bola: Alan Ruiz foi impedido pelo Sporting de estacionar o seu Ferrari vermelho na zona reservada aos futebolistas profissionais.

Os motivos dispensam explicações: trata-se de um carro da cor do Benfica, algo pouco apreciado em Alvalade. O avançado argentino teve que estacionar o veículo noutra zona, ele que não tem sido opção regular para Jorge Jesus no Sporting.

Recorde-se que Bruno César também foi alvo de críticas por, no seu primeiro dia em Alcochete, se ter apresentado com um carro vermelho. Mas o médio brasileiro rapidamente tratou do problema, ao trocar o vermelho pelo preto.» [DN]
   
Parecer:

O Bruno de Carvalho tem de ir a um médico.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao BC se vai tirar o vermelho à bandeira portuguesa, lembrando o que os romenos fizeram à bandeira romena nos últimos dias da ditadura.»

blog comments powered by Disqus