sábado, abril 01, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Leitão Amaro, deputado

Foi o PSD que decidiu usar o BES para uma experiência de resolução que não voltará a ser a usada na Europa, foi o mesmo PSD que garantiu que com a solução não haveriam custos para o contribuinte, foi um governador do BdP reconduzido pelo PSD que ficou a liderar o processo de venda do Novo Banco, foi um governante do PSD que o BdP contratou para servir de caixeiro-viajante na venda do Novo Banco.

O PSD esteve por detrás do todo o processo, sabe de tudo o que se passou, provavelmente andou melhor informado de tudo o que se passava do que o governo, até foi um ex-líder do PSD que tornou públicos os contornos do negócio.

Um mínimo de decoro mandaria o PSD estar calado, mas não foi essa a opção do guerrilheiro Leitão Amaro, ainda antes dop governador falar em público chamou as televisões para duizer as suas baboseiras.

«“Qual o montante de venda, que garantias, que condições e que custo para os contribuintes” derivam da venda do Novo Banco são informações que o PSD exige obter durante o dia de hoje, para o qual estão marcadas conferências de imprensa do governador do Banco de Portugal, António Costa, e o ministro das Finanças, Mário Centeno.

“O dinheiro do Estado é dos portugueses, não é dos governos”, sublinhou António Leitão Amaro, numa declaração aos jornalistas em que deixou claro que “o Governo tem o dever de prestar hoje cabal esclarecimento de todas as condições e termos que envolvam dinheiro do Estado” na venda do Novo Banco.

Além desta questão, admite o PSD que o Executivo “tem de dizer qual o custo do perdão parcial de dívida que fez aos bancos nas últimas semanas relativamente ao empréstimo do Estado do fundo de resolução”.» [Notícias ao Minuto]

      
 O MP tem, falta de funcionários
   
«"Contrariamente, às vezes, aos ventos mais negativos, o MP tanto na comarca de Porto Este como na comarca de Viana do Castelo, no essencial, está a funcionar bem. Está a baixar pendências, está a aplicar, relativamente à suspensão provisória dos processos, instrumentos de consenso de uma maneira mais adequada, está a ter mais êxito nas acusações relativas à criminalidade grave e criminalidade económico-financeira e está, também, a diminuir pendências, ou seja, a resolver mais processos do que aqueles que entram. No geral o MP está a funcionar bem nestas comarcas", afirmou Joana Marques Vidal

A magistrada, que falava aos jornalistas no edifício dos juízos centrais cíveis de Viana do Castelo, no final de dois dias de visitas de trabalho que realizou àquelas comarcas, disse que em ambas "há dificuldades crónicas" de falta de magistrados e de funcionários do MP.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Só no Caso Marquês o MP tem por sua conta 20 funcionários que são pagos pela AT e que fazem falta ao desempenho das suas funções.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Questione-se o MP sobre quantos funcionários de outras instituições estão a trabalhar nas investigações que conduz.»

blog comments powered by Disqus