segunda-feira, dezembro 14, 2015

O Le Penito português

 photo punhos_zpsighpcuhj.jpg

Em Portugal não há fascistas, no dia seguinte ao 25 de Abril dissolveram-se, misturaram-se com a democracia e uns tempos depois reapareceram sob a forma de liberais, democratas-cristãos, social-democratas. A ala liberal da ANP e as famílias mais liberais do regime mudaram a casaca para social-democratas e chegaram a ter o desplante de pedir a adesão à internacional socialista. Os mais conservadores, a ANP das aldeias e a Legião Portuguesa assumiam-se como democratas cristãos, chegaram mesmo a formar o PDC, andaram pelo ELP e pelo MIRN, depois desapareceram misteriosamente.

Em Portugal não fica bem a ninguém ser anti-semita ainda que na nossa cultura judeu ainda seja um adjectivo usado com frequência, também ninguém é racista mas para ser apelidado de “preto” em privado nem seja necessário ter ascendentes em África. Em Portugal não há fascistas nem extrema direita, até os cabeças rapadas destas bandas vão ao cabeleireiro. O que por cá existe é uma extrema-direita chique que em privado ultrapassa tudo e todos na defesa da democracia, mas em privado promove o culto das virtudes de Salazar e goza da democracia.

É óbvio que Paulo Portas e a sua seita são democratas, que ninguém ouse questioná-los neste ponto, ninguém por cá é mais democrata do que o Paulo Portas. Por cá a extrema-direita é chique e por isso só pode ser democrata. Desta forma ninguém lhes pode chamar essa coisa de fascistas ou de neo-nazis. Se alguém lhes chamar fascistas ficam vermelhos de indignação, quanto ao termo nazi só serve para Portas colocar Jerónimo de Sousa ao nível de Hitler.

Qual é o pensamento político de Paulo portas? Para o público em geral é democrata-cristão, Paulo porta partilha da doutrina social da Igreja e é temente a Deus, enfim, qualidades que o antigo regime também tinha. Mais frequentemente Paulo Portas não tem ideologia, ora é o Paulinho das Feiras ou o líder do partido do contribuinte, Paulo portas é o político português mais esquivo, aparece e desaparece, dá a cara ou arranja alguém para a dar por ele.

A verdade é que Paulo Portas é o Le Penito português, mas tem o bom senso de perceber que em Portugal ainda não há condições para assumir todas as suas ideias, é por isso que a nossa extrema direita é uma direita chique cujos valores são os mais conveniente. Mas quem é que em Portugal partilha mais ideias ou partilhou mais ideias com os Le Pen. Paulo Portas pensou do euro o mesmo que a Le Pen, pensou da EU o mesmo que a Le Pen. Só Deus sabe que mais ideias partilha Portas e os seus amigos com a senhora Le Pen.
  
blog comments powered by Disqus