quarta-feira, dezembro 16, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura


  
 Jumento do dia
    
Carlos Costa, ainda governnador do BdP

Como é possível que este senhor ainda se mantenha à frente do Banco de Portugal?

«Em Outubro a auditora PwC alertou o Banco de Portugal (BdP) para os riscos nos atrasos em encontrar uma solução para os problemas no Banif, aviso que levou o regulador mais de um mês depois a solicitar à gestão do banco que lhe apresentasse até meio de Dezembro um investidor para capitalizar a instituição intervencionada há três anos.

O empurrar dos problemas para a frente durante todos estes anos acabou por “estragar” as relações entre o governador Carlos Costa e a então ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, os dois responsáveis pela condução do dossier.

Apesar dos resultados operacionais positivos, o Banif tem estado nos últimos dias a ser alvo de “aperto” crescente por parte da autoridade europeia, a Direcção-Geral da Concorrência, a DGCom, e da nacional, o BdP.» [Público]

 Mas que grande estabilidade do sistema financeiro

A defesa da estabilidade do sistema financeiro foi um dos argumentos mais poderosos usados por Cavaco Silva para condicionar a nomeação de um primeiro-ministro apoiado numa maioria parlamentar. Agora-se sabe-se que aos casos do BES, do BPP e do BPN, tudo gente cavaquista, junta-se o do BANIF. Cavaco devia vir a público explicar a que estabilidade se referia pois o que se sabe é que a banca portuguesa está à beira do colapso.

 Palavra de Governador
 photo _BdP_zpsy6jvti5c.jpg

Os que em tempos compraram acções do BES graças às garantias de Carlos Costa e Cavaco Silva devem estar agora a rir à gargalhada. Agora só resta aos depositantes do BANIf receberem as mesmas garantias por parte de Cavaco Silva, o grande defensor da estabilidade do sistema financeiro.

      
 Os medíocres contra Pacheco
   
«O novo ministro da Cultura, João Soares, convidou José Pacheco Pereira para a administração da Fundação de Serralves. Mal se soube da notícia armou-se o salsifré habitual, típico dos invejosos e dos medíocres. Que não há almoços grátis disseram alguns aludindo ao facto de Pacheco Pereira ter sido dos críticos mais ferozes do anterior governo PSD-CDS e que agora tinha chegado o momento de "pagar o frete". Que o historiador e colunista é igual a todos os outros políticos e que não resiste a "comer da gamela do Estado" disseram outros desprezando, por ignorância ou má-fé, que Pacheco Pereira só aceitou esta nomeação porque se trata de um cargo não remunerado e sem prebendas. E houve até quem, entre os seus companheiros de partido, se apressasse a interpor uma ação disciplinar contra ele com vista à sua expulsão do PSD. De facto, os partidos portugueses convivem pessimamente com os espíritos livres e com todos os que pensam pela própria cabeça. É certo que têm de existir regras de militância e que o seu não cumprimento deve prever a aplicação de sanções. Mas nenhum democrata pode subscrever a punição de quem quer que seja por delito de opinião. Pacheco Pereira tem, obviamente, mais do que currículo e qualificação para a função que agora aceitou e para a qual foi convidado. Estranho é que só agora se tenham lembrado dele para integrar a administração de uma fundação com as características da de Serralves, mesmo que seja para um lugar não executivo. Intelectual, investigador, historiador, arquivista, Pacheco Pereira não corresponde ao perfil das clientelas ignorantes que os partidos servem oferecendo-lhes, não raras vezes, lugares de gestão ou administração mesmo que não tenham qualidade ou sequer dimensão para arrumar gavetas. Além disso, o ex-líder parlamentar do PSD é alguém maior do que o partido a que pertence e que não precisa de favores ou benesses de quem quer que seja para se afirmar. Acresce que não é a primeira vez que Pacheco Pereira revela desprendimento ou desapego. Em 2004, poucos dias antes de Durão Barroso ter decidido emigrar para Bruxelas, Pacheco tinha aceite o convite do então chefe do governo para o mais disputado lugar da diplomacia portuguesa, o de embaixador na UNESCO. Porém, mal se soube que Santana Lopes iria ser primeiro-ministro, Pacheco apressou-se a comunicar a sua indisponibilidade recusando as mordomias de um palacete em Paris. Podemos discordar, e eu sou dos que discordam, que haja quem abdique de ser remunerado pelo exercício de funções públicas. Acredito, sinceramente, que o não pagamento de uma retribuição ou salário diminui a capacidade e o poder da obrigatória sindicância. Mas o que é intolerável é que se veja nesta nomeação um agradecimento por serviços prestados. Quem assim pensa e o diz sem pudor só pode ser medíocre ou invejoso.» [DN]
   
Autor:

Nuno Saraiva.

 Já há relatório médico: é mesmo maluco!
   
«Ontem, Donald Trump deu a conhecer o seu estado de saúde. Assinado pelo Dr. Jacob Bornstein, seu médico há 35 anos, o documento é exaustivo: a força física e a energia "são extraordinárias", ausência de vícios ("não tem indicação de alguma vez ter consumido álcool ou produtos derivados do tabaco"), a pressão arterial, "110/65", e os resultados dos testes de laboratório são "espantosamente excelentes", o status cardiovascular é "excelente"... Enfim, garante o cuidadoso facultativo: "Se eleito, o senhor Trump, posso testemunhar, será o mais saudável indivíduo jamais eleito para a presidência." Não sei bem o que admirar mais, se os conhecimentos do Dr. Bornstein sobre o historial das patologias do, por exemplo, presidente John Adams, eleito em 1797 (mas tenho mais 43 exemplos), se a confiança nos testes laboratoriais quando as fotos mostram a ventripotência do Donald, aos 69 anos, comparadas com Barack, recém-eleito, em 2008, vinte anos mais novo e a jogar basquetebol. Por outro lado, acho piada aos críticos do costume que logo encheram a internet de fotos com Trump bebendo champanhe (como se não pudesse ser ginger ale) ou lembrando que, o agora rijo Trump, em jovem livrou-se de ir para o Vietname por doença. Lérias... O importante é saudar a iniciativa de Donald Trump: pela primeira vez, um candidato a presidente faz publicar uma certidão de saúde, devidamente assinada por médico, declarando que ele é mesmo lelé da cuca.» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.

      
 O regresso do grande educador do proletariado
   
«Não é o islamismo, mas o imperialismo a causa real, verdadeira e única do ataque a Paris (…) terror, horror, crueldade são os ataques aéreos, de mísseis de cruzeiro, de artilharia, de drones, conduzidos pelo imperialismo, designadamente francês, sobre os homens, os velhos, as mulheres e as crianças das aldeias e das cidades de África e do Médio Oriente, para roubar-lhes o petróleo e as matérias-primas. Os atacantes de Paris nem chocolates roubaram: levaram a guerra aos franceses, apenas para acordá-los: para lembrar-lhes que o governo e as forças armadas do imperialismo francês estão, em nome da França e dos franceses que julgam ter o direito de se poderem divertir impunemente no Bataclan, a matar, a massacrar, a aterrorizar com crueldade inenarrável os povos do mundo”

Na tese que Arnaldo de Matos defende, e com a qual pretende responder a um editorial do Partido Comunista Francês que repudia os ataques daquela sexta-feira negra que fizeram 130 mortos no coração da capital francesa, tudo gira em torno da culpa dos franceses que levou à resposta dos jihadistas. O fundador do PCTP-MRPP critica que um partido como o PC francês, que “se reivindica do comunismo, do marxismo, do leninismo e do maoismo”, traia o seu passado. “É ultraje à teoria revolucionária que para si mesmo reclama e um insulto à memória histórica e ao internacionalismo da heróica classe operária francesa”, escreve.» [Observador]
   
Parecer:

É louco, é perigoso, é ridículo, mas não deixa de ser divertido.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada e sugira-se ao Arnaldo que adira ao DAESH e mostre os ditos.»
  
 O Manuel Alegre anda muito simpático
   
«Passado o tempo de indecisão em relação ao novo governo, chegou o tempo de escolha das personalidades que ocuparão os lugares no Conselho de Estado. E também este tema está a gerar dúvidas e negociações várias.

No caso concreto do PS, já existem convites e desconvites. Isto porque, a primeira escolha socialista recaía sobre Manuel Alegre, que foi convidado por António Costa para ser reconduzido ao lugar no Conselho de Estado, órgão onde se senta há já vários anos, avança o Diário de Notícias (DN). Alegre aceitou de bom grado o convite, mas foi desconvidado pouco tempo depois.» [Observador]
   
Parecer:

Enfim, alguém desconhecia a tradição parlamentar.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Costa que esclareça quais as tradições parlamentares que continuarão a sê-lo.»

 LIDL aumenta salário mínimo
   
«O Lidl Portugal anunciou nesta segunda-feira que decidiu aumentar para 600 euros o valor do ordenado de entrada dos seus trabalhadores, auferido no primeiro ano de trabalho, um aumento de 5,26% que irá entrar em vigor a 1 de Janeiro do próximo ano.

Em comunicado, a cadeia de supermercados de origem alemã recorda que o ordenado mínimo no Lidl "já é acima do ordenado mínimo nacional e, com esta medida, todos os colaboradores a tempo inteiro que auferiam do valor base de 570 euros passam a receber o novo valor de 600 euros".

Isto representa um aumento salarial de 5,26% para todos os colaboradores abrangidos neste escalão.» [Público]
   
Parecer:

Parece que o LIDL aderiu ao PCP.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Maria Luís decidiu erradamente de forma intencional
   
«A autorização dada no mês passado por Maria Luis Albuquerque ao inspector-geral de Finanças para que possa ganhar mais 1110 euros mensais, com efeitos retroactivos a Janeiro, contraria um parecer dos seus serviços que foi homologado pelo secretário de Estado da Administração Pública há oito meses.

O parecer em causa foi solicitado no dia 4 de Fevereiro, por e-mail, pelo então secretário de Estado do Orçamento, Hélder Reis, ao então secretário de Estado da Administração Pública, Leite Martins, ambos membros da equipa da ministra das Finanças. O primeiro tutelava a Inspecção-Geral de Finanças (IGF) e o segundo tinha a seu cargo a Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), entidade para a qual reenviou o pedido de Hélder Reis, a fim de o mesmo aí ser apreciado.

O pedido visava a emissão de um parecer sobre “a possibilidade dos nomeados para cargos de direcção superior, que tenham uma relação jurídica de emprego público, poderem optar pela remuneração do cargo de origem”. A questão tinha sido suscitada no mês anterior por um pedido do novo inspector-geral de Finanças, Vítor Braz, que acabara de ser nomeado pela ministra das Finanças em regime de comissão de serviço pelo período de cinco anos.» [Público]
   
Parecer:

A senhora deve ser chamada a assumir as consequências financeiras das suas decisões ilegais.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Exijam-se explicações à agora deputada.»

 Maior armador do mundo abandona porto de Lisboa
   
«O grupo dinamarquês Maersk, maior armador mundial, comunicou aos clientes e parceiros que irá abandonar as operações no porto de Lisboa, apurou o Diário Económico. O motivo para a Maersk tomar esta decisão deve-se às perturbações causadas pela greve dos estivadores, em curso desde 14 de Novembro.

Esta é já a segunda baixa entre o clube dos maiores armadores mundiais que escalavam o porto da capital e que vão deixar ou já deixaram de o fazer, depois de a alemã Hapag-Lloyd, integrada no ‘top ten’ do sector, ter trocado o porto de Lisboa pelo de Leixões enquanto durar a referida greve dos estivadores, como o Diário Económico avançou em primeira mão no dia 27 de Novembro.

Tal como à escala global, a influência da Maersk na movimentação de contentores e outras mercadorias no porto de Lisboa é determinante, pelo que esta decisão, juntamente com a da Hapag-Lloyd, trará efeitos negativos na movimentação de cargas do porto da capital durante o ano em curso e provavelmente também em 2016.» [DE]
   
Parecer:

Ou o Porto de Lisboa está a abusar ou os sindicatos estão enterrando os seus trabalhadores.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Apurem-se responsabilidades.»

 O Dr. Ventoinhas não gostou da entrevista
   
«O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público considerou hoje que as acusações de José Sócrates ao trabalho dos magistrados da "Operação Marquês" é uma "narrativa sem qualquer suporte de realidade".

"Toda a narrativa construída ontem [segunda-feira] não tem qualquer suporte na realidade, por esta razão: o Ministério Público (MP) não é nenhuma associação criminosa que se dedica a aterrorizar as famílias dos arguidos. O MP tem como objetivo o exercício da ação penal daqueles que cometeram crimes", disse António Ventinhas. » [DN]
   
Parecer:

Pois, mas o Dr. Ventoínhas não desmentiu os factos e não é a primeira vez que ouço descrever as buscas domiciliárias como actos pouco próprios para a democracia.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao Dr. Ventoínhas que se dedique ao que cabe a um sindicato não sovético, aos direitos laborais pois nem o MP será uma associação criminosa nem o sindicato tem o estatuto de porta-voz do MP.»
  
 O quarto rei mago
   
«Um homem que conduzia embriagado na localidade de Tadcaster, em North Yorkshire, Inglaterra, tentou esconder-se num presépio de Natal, na passada sexta-feira, após o embate contra uma barreira de metal da estrada onde seguia.

A polícia de North Yorkshire encontrou o suspeito 200 metros mais à frente do acidente, escondido entre o feno e a figura do menino Jesus do presépio local. O sucedido foi divulgado pelas autoridades na página do Twitter. » [JN]

 Virão dar um concerto em Loures?
   
https://static-ssl.businessinsider.com/image/55b091762acae74c2f8b6b75-3451-2588/rtr3mfo3.jpg
https://i.guim.co.uk/img/static/sys-images/Guardian/Pix/audio/video/2015/12/13/1450001802739/KP_755403_crop_1200x720.jpg?w=1200&q=85&auto=format&sharp=10&s=8c0ae304fe4bd54fc74663a37dee586b

«A banda norte-coreana Moranbong atuou fora do país pela primeira vez.
Constituído só por mulheres escolhidas pessoalmente por Kim Jong-un, este grupo pop esteve na China, onde atuou no Centro Nacional de Pequim, nos dias 12 a 14 deste mês.

Estes “concertos amigáveis" em colaboração com a orquestra militar chinesa pretendiam “contribuir para aprofundar a amizade e fomentar as trocas culturais e artísticas entre as populações dos dois países”, informou a agência de notícias estatal KCNA, citada pela BBC.

Apesar do estilo ocidentalizado, o repertório das Moranbong inclui músicas de propaganda do regime comunista, como ‘Nós Pensamos no Marechal’ (Kim Jong-un) ‘Dia e Noite’ e ‘O Meu País é o Melhor!’.» [Notícias ao Minuto]

 Europeu livre de árbitros tugas 
   
«Pedro Proença foi o último dos cinco árbitros portugueses que marcaram presença em fases finais, tendo dirigido a final do Euro2012, entre Espanha e Itália.

Antes do atual presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) estiveram presentes em fases finais Vítor Pereira (2000), Rosa Santos (1988), António Garrido (1980) e Lucílio Baptista (2004).

Os 18 árbitros escolhidos para os 51 jogos do Euro2016, que vai ser disputado entre 10 de junho e 10 de julho, vão liderar equipas com dois assistentes e dois assistentes de baliza, que, segundo a UEFA, serão provenientes, na sua maioria, dos países dos chefes de equipa.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Por aquilo que se tem visto o Europeu só tem a ganhar sem incompetência no apito.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Começaram as cerimónias fúnebres de Passos Coelho
   
«Rui Rio acha que se Pedro Passos Coelho voltar a candidatar-se a primeiro-ministro como líder do PSD “vai ter muito mais dificuldades do que teve há quatro anos”. “Quando se vai para eleições já tendo estado no poder não se consegue com facilidade abrir uma janela de esperança”, afirmou o ex-autarca, esta terça-feira, na edição especial da “Quadratura do Círculo”, programa da SIC Notícias, realizada no Porto.

Num primeiro comentário à nova realidade política saída das legislativas, Rio deu um voto de confiança a António Costa - “tem experiência política suficiente para não cometer erros crassos”. E antecipou alguma durabilidade ao novo Governo: “Os próximos dois anos vão ser mais calmos do que aparenta”.» [Expresso]
   
Parecer:

É óbvio que a estratégia de Passos é um desastre eleitoral.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Reserve-se lugar na primeira fila.»

 Reformas antecipadas na CGD
   
«O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD), José de Matos, anunciou hoje, no Porto, que o banco recebeu mais de mil candidaturas de funcionários no âmbito do processo de reformas antecipadas.

"Tivemos candidaturas bem superiores a mil pessoas. Não sei qual é o número final das saídas, [porque] vão depender de uma avaliação da adequação operacional das condições com que ficamos depois das pessoas saírem", afirmou aos jornalistas José de Matos, à margem da Conferência "Portugal 2016 - O Futuro do País e das Empresas", a decorrer na Alfândega do Porto.

Segundo José de Matos, a adesão dos funcionários à possibilidade de se candidatarem a uma reforma antecipada foi "muito grande", mas tal não significa que saiam todos, porque "a avaliação às circunstâncias de saída e ao 'timing' de saída é uma decisão exclusivamente da comissão executiva da CGD".» [DN]
   
Parecer:

Porque é que no Estado se requalifica e se despede enquanto na CGD se promovem reformas antecipadas?
 
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao deputado Passos Coelho.»


 Ó Cavaco, o que é feito da criação de emprego?
   
«De acordo com os dados revelados esta manhã pelo Eurostat, a taxa de criação de emprego cresceu 1,1% no terceiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado, tanto na zona euro como na União Europeia. 

Em comparação com o trimestre anterior, a criação de emprego foi mais tímida: registando um crescimento de 0,3%, na zona euro, e 0,4% na UE. Neste período, os países que mais destruíram emprego foram a Croácia (-0,6%), Portugal (-0,5%) e Malta (-0,3%).» [DE]
   
Parecer:

Aos poucos os portugueses vão conhecendo a realidade e percebendo as mentiras de Passos, portas e Cavaco.
 
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao Cavaquinho.»


   
   
 photo Stefano-Coltelli-1_zps9nfpcjle.jpg

 photo Stefano-Coltelli-5_zpsvxpjiwei.jpg

 photo Stefano-Coltelli-3_zpsxpriknjc.jpg

 photo Stefano-Coltelli-2_zpsljoxbtea.jpg

 photo Stefano-Coltelli-4_zpsevmrxcx7.jpg
  
blog comments powered by Disqus