quinta-feira, setembro 08, 2016

Este Burro é do Toneladas!

 photo Lima_zpsnx0rqpkt.jpg
  
Aquilo que se tem sabido sobre o que vai poder ser lido no livro de memórias dessa personagem pequena e obtusa de nome Fernando Lima, fraco jornalista que viveu uma boa parte da sua vida à custa dos contribuintes com estatuto de sobra de Cavaco Silva revela o que foi a miséria do cavaquismo. 

Quando se pensava podermos esquecer a passagem de Cavaco pelo poder e quando poucos, além de Leonor Beleza e mais alguns pares, sentem os sintomas de abstinência dessa personagem que se retirou para a sua luxuosa vivenda na Quinta da Coelho, podendo finalmente usufruir dos luxos de uma casa que resultou de um excelente negócio, das suas pensões devidamente repostas pela Geringonça e dos lucros com as acções do BPN que acabaram por ser os contribuintes a pagar, eis que Fernando lima decide não só mexer na caca, para que volte a cheirar mal, como ainda a atira para a ventoinhas.
  
Está um Jumento tranquilamente a pastar com o pouco que lhe sobra depois dos cortes feitos pelo Bruxo de Massamá, quando é surpreendido por uma notícia no DN:

«Ao longo deste processo, há outra personagem que entra em cena, que Lima nunca nomeia. Trata-se de um adjunto do gabinete do primeiro-ministro que se faz convidado na visita presidencial à Madeira. Rui Paulo Figueiredo, "o Toneladas", como chama o autor ao socialista (seria depois eleito deputado pelo PS) é o "intruso" da Madeira e a quem Lima atribui a autoria de um blogue anónimo pró-socrático: O Jumento.

A informação chegou-lhe por "mão amiga" que lhe entregou "um relatório particular de uma investigação feita, a meu pedido, ao referido blogue, em 2009".«

Depois de um conhecido jornalista, Paulo Pinto de Mascarenhas, ter denunciado ao país quem era o perigoso autor d’O Jumento eis que se sabe agora que outro jornalista, o Fernando Lima, que, afinal, o dono do burro é um tal Toneladas, de nome Rui Paulo Figueiredo, ex-deputado do PS. Está reposta a normalidade, a política para os políticos, o burro não poderia ser um modesto manga de alpaca, tinha de ser pelo menos deputado! E quem iria descobrir? Fernando Lima, um especialista em investigação.

Ficamos a saber que a Cassa Civil da Presidência da República encomendava investigações privadas para identificar cidadãos que incomodassem Sua Exª. O problema é que em Portugal fazer investigações privadas é crime e se mão amiga entregou ao homem de confiança do presidente um relatório de uma investigação que só poderia servir para restringir o direito ao exercício da liberdade de opinião, estamos perante um crime grave quando cometido por aqueles a quem os contribuintes pagam para cumprirem e fazerem cumprir a Constituição.
  
Ficamos a saber que este modesto Burro levou um dos homens de maior confiança de Cavaco Silva a encomendar investigações ilegais e que o transformam num mero criminoso. Já sabíamos que não era grande coisa, já conhecíamos os seus golpes pol´tiicos, agora sabemos que mandava fazer investigações ilegais como se fosse um mero mafioso da política.

Enfim, Cavaco político morreu e foi enterrado e este livro não é mais do que a prova que depois do enterro o cavaquismo está num processo acelerado decomposição. Fernando Lima não se limitou a mexer na caca para cheirar mal, ele próprio é a fonte do mau cheiro, enquanto manifestação evidente da decomposição dessa ideologia política miserável que foi o cavaquismo e que em má hora governou este país, transformando o nosso século vinte no século dos três ismos, do fascismo, do salazarismo e do cavaquismo.

blog comments powered by Disqus