terça-feira, setembro 13, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do dia
    
Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD

A fome de Durão Barroso por ganhar dinheiro levou-o a uma decisão que para muitos portugueses é motivo de vergonha nacional, isto para não recordar os negócios que a Goldman fez em Portugal no seu tempo e que quando Sócrates lhes pôs fim mereceu muitas críticas por parte do PSD.

Montenegro pode muito bem concordar com as opções de Barroso e só le fica bem defender publicamente os amigos e os que actuam segundo os seus valores éticos. O que não pode é questionar aqueles que são mais exigentes nesse plano do que ele.

«De acordo com uma notícia divulgada no domingo à noite pelo Expresso e Financial Times, Durão Barroso deixará de ser recebido em Bruxelas como ex-presidente da Comissão Europeia, e terá de dar explicações ao executivo europeu sobre a sua relação contratual com a Goldman Sachs Internacional, na qual assumirá funções de presidente não-executivo.

Questionado pelos jornalistas sobre esta polémica, Montenegro escusou-se a fazer um comentário direto.

"É um espetáculo que não abona nada em favor das instituições europeias, creio que é um assunto que não merece ser mais ampliado do que o que é pela força das intervenções dos principais protagonistas das organizações europeias", referiu, em declarações aos jornalistas em Penela.» [Notícias ao Minuto]

 Quanto ganhará o pobre saloio de Mação?

Quem ouviu Carlos Alexandre fazer votos de pobreza, diria mesmo que votos de miséria (e talvez não apenas financeira) teve de pensar duas coisas, ou o pobre juiz ganha tão mal que tem de se desunhar a trabalhar para dar de comer aos filhos, ou gasta acima das suas possibilidades.

Como o homem só gosta de mostrar o que lhe convém e da forma que lhe dá jeito sabemos apenas que tem poucos amigos, que talvez seja casado, que tem dois créditos hipotecários, que poderão ser de duas casas ou de uma casa e de um carro, que tem de trabalhar todos os dias da semana e não goza férias. Partimos do princípio de que não é alguém miserável que não come por considerar um desperdício o que se perde na casa de banho, pelo que temos de ficar preocupados por a justiça ser entregue a gente forçada a votos de pobreza.

Assim, aqui fica um desafio ao juiz Alexandre, que torne pública a sua declaração de IRS, bem como a da sua esposa, na hipótese de ser casado e de a senhora ainda não ter abandonado alguém que ganha tão miseravelmente que não parece ter tempo para a famílias.

A acreditar nas queixas de Carlos Alexandre não se admirem se forem a um tribunal e virem gente do povo carregada com caixas de fruta, cabazes de peixe ou galinhas vivas para oferecerem aos juízes, não vão os pobres coitados estarem a passar fome.

É bom recordar que os juízes como Carlos Alexandre ganham bem acima da média das remunerações do Estado e que o pobre juiz beneficia de um subsídio de residência desde que entrou na carreira e apesar de há muitos anos trabalhar na localidade onde reside e que esse subsídio absurdo não está sujeito a IRS.

Acontece que os rendimentos do juiz mais pobre de Portugal nem sequer são segredo, foi ele próprio que os revelou em declarações ao Tribunal da Relação.

«O magistrado revelou que que, em tempos, teve rendimentos mensais de cerca de 10 mil euros. Hoje estão reduzidos a oito mil: recebe cerca de 4 mil euros pelas funções que acumula enquanto juiz, a que soma mais dois mil euros do salário da mulher, funcionária das Finanças, e dois mil euros provenientes de arrendamentos de imóveis e da reforma da sogra, que mora consigo, com a mulher e com os seus dois filhos numa vivenda em Linda-a-Velha, comprada em 2006 através de um empréstimo de 400 mil euros contraído junto da CGD. Com a casa, contou, despende 2000 euros por mês.

Ainda segundo o jornal "i", a casa de Linda-a-Velha não é o único bem que tem em seu nome. Há mais de dez anos investiu num apartamento no Carvoeiro. Novamente através de empréstimo bancário, de 100 mil euros, e da mesma instituição. Todos os meses, pelo menos 600 euros servem para pagar este crédito.» [Expresso]

por estes números percebe-se que o pobre juiz estava a gozar de mais de 90% dos portugueses que ganham muito menos do que o seu agregado familiar.
 
 Barroso deixa de andar nos tapetes vermelhos de Bruxelas

 photo tapete_zpspv2b80ss.jpg

mais sorte tem Maria Luís Albuquerque que anda nos tapetes vermelhos do parlamento ao mesmo tempo que trabalha para uma financeira inglesa. Note-se que a Comissão também concluiu que no caso de Barroso não existia qualquer conflito de interesses.

      
 Cristas candidata-se a não ter Passos ao lado
   
«Geringonça é uma caranguejola que armada em engenhoca teima em andar. Ok, isso já sabemos. Agora o que falta é encontrar o nome para um calhambeque que encalha algures enquanto parte da carripana vai à conquista da Câmara de Lisboa. Ok, cá ficamos à espera do palavrão que os jornalistas vão pôr nos títulos, com a sua tanta graça e profundidade de análise.

Entretanto, Assunção Cristas candidatou-se. A pressa foi tanta que nem esperou para chegar a Sacavém (às portas da Praça do Município): ela anunciou a candidatura em Oliveira do Bairro (a 252 km de Lisboa). "PAF!", não é porque a bofetada é dada longe que não dói.

Basicamente, o que Assunção Cristas disse foi: "Candidato-me a não ter o Passos Coelho como meu parceiro." Por isso se apressou, não fosse o outro atrelar-se. O coiso (aqui eu poria o tal palavrão se já tivesse sido inventado), o coiso já de si arrasta-se - ser obrigado a levar um peso morto passaria a penoso.

Daí Cristas ter-se desligado da coligação de direita - como uma roda que se põe a andar sozinha estrada fora depois do choque da carripana. Carlos Carreiras, o coordenador autárquico do PSD, desejou ironicamente boa a sorte à futura "vereadora". Ironia à parte, é claro que para Cristas, antes ser vereadora do que ficar a ver navios.

Conclusão: o CDS concorre sozinho para medir forças com o PSD e, nesse confronto, sair a ganhar alguma coisa nas autárquicas. Prefere isso a concorrer coligado com o PSD e terem ambos uma derrota certa. Não se sabe o que vai acontecer no outono de 2017, mas que foi isso que, neste fim de verão, determinou a decisão do CDS, foi.» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.

      
 Brinquem, brinquem
   
«Em declarações ao DN, o coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, afirma que o partido regista a disponibilidade da líder do CDS "avançar de forma normal e serena". E completa: "Não é um drama, nem algo que nos venha prejudicar. Irá beneficiar o futuro executivo municipal da CML com a sua competência, num cenário de acordo pós-eleitoral." Que é como quem diz: Cristas poderá sonhar ser vereadora de um eventual presidente social-democrata. Mas a própria apresentou-se no sábado como "candidata à presidência da Câmara Municipal de Lisboa".

Quem não alinha nesta visão é o antigo líder do PSD, Luís Marques Mendes, que nota que o avanço da líder centrista "enfraquece o PSD". No seu espaço de comentário na SIC, Marques Mendes é claro na sua leitura: "Esta candidatura é também uma candidatura contra o PSD. É quase um xeque-mate ao PSD. A partir de agora o PSD fica numa situação muito difícil."» [DN]
   
Parecer:

A verdade é que uma candidatura de Assunção Cristas não só a projecta em termos nacionais face a um Passos cada vez mais apagado, como compromete ainda mais uma vitória do PSD em Lisboa e isso significa um passo atrás numa candidatura de Santana Lopes, que não vai querer correr o risco de ficar desempregado. pois no momento em que se candidatar terá de largar a Santa Casa e deixar de ganhar algum na televisão.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»
  
 Depois da academia, a aposta do SCP é num lar
   
«“O meu objetivo é que Ronaldo termine a carreira como jogador do Sporting”, este é o desejo que o presidente do Sporting revelou nesta entrevista que ficou pautada pelos temas: Liga dos Campeões, Cristiano Ronaldo e Jorge Jesus.» [RTP]
   
Parecer:

A não ser que o Real empreste Ronaldo a partir de Janeiro.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»


blog comments powered by Disqus