quarta-feira, novembro 16, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Luís Montenegro, mau 'cagador'

A forma como Montenegro comentou as boas notícias dadas pelo INE revela como o líder parlamentar se sente mais à vontade para comentar más notícias, aliás, pode-se mesmo dizer que está melhor preparado para ouvir notícias de desgraças, do que boas notícias. A forma como reagiu aos dados do INE sobre crescimento económico dá razão a um velho dito popular segundo o qual "ao mau cagador até as calças empatam".

«O PSD admite que os dados económicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o terceiro trimestre do ano, revelados esta manhã, são uma "boa notícia", mas vinca que o Governo não pode "embandeirar em arco" com os dados.

"Há uma boa notícia para o país, que de alguma forma surpreende todos aqueles que perspetivavam nas últimas semanas um crescimento inferior", admitiu no Parlamento Luís Montenegro, líder da bancada do PSD na Assembleia da República.

Depois, todavia, o social-democrata vincou ser necessário analisar os "dados desagregados e perceber se há aqui uma base que possa sustentar um caminho duradouro de crescimento económico superior à previsão do próprio Governo em sede de Orçamento do Estado, quer para 2016 quer para 2017".

E prosseguiu: "É melhor termos uma boa notícia do que uma má notícia, e isso gostaríamos de assinalar. Em todo o caso, não é razão para embandeirar em arco e pensar que a nossa economia está a dar uma resposta que nos possa colocar acima da margem que pode sustentar no futuro mais crescimento".» [Expresso]

 Azar dos Távoras

Rui Rio aparece a confirmar uma possível candidatura à liderança do PSD, poucos dias depois de almoçar com o amigo Pedro para desmentir tal notícia, o PSD desce abruptamente nas sondagens, os mais próximos da liderança, como o Marco António quase desapareceram, não foram aplicadas sanções, ma lé empossado o primeiro-ministro espanhol recebe Costa, a execução orçamental corre bem, a DBRS não baixou o rating e, como se tudo isto fosse pouco, a economia dá sinais de vida, crescendo a um ritmo inesperado e indesejado para os nossos Trumpetes. Digamos que Passos Coelho está com um azar dos Távoras, só falta correrem com ele e meterem sal na cadeira onde se sentava, para que ali não volte a nascer nada de parecido.

 Ideias em que o Trumpete de Massamá não embarca



 Ludovico Einaudi - "Elegy for the Arctic" 



 O Trump que se ponha a pau

Quando o Cavaco souber das suas intenções de não cumprir com os compromissos que os EUA assumiram com a NATO vai ver o que lhe acontece!



 E porque não boicotar a Coca-Cola?
   
«A Coca-Cola European Partners tinha previsto realizar um investimento de 40 milhões de euros para ampliar a fábrica Refrige, em Setúbal, mas decidiu suspender o projecto, diz o Expresso na sua edição deste sábado, 5 de Novembro.

O imposto sobre as bebidas açucaradas, incluído na proposta para o Orçamento do Estado para 2017, e que varia entre os 8 e os 16 cêntimos por litro, levou a empresa a suspender os seus planos.

Em declarações ao Expresso, o director para Portugal da empresa, Andrés Curbelo, disse que ainda falta muita informação e mostrou-se esperançado que a proposta de lei seja alterada para "minimizar o impacto social e económico deste cenário".

A fábrica de Setúbal conta actualmente com 265.000 metros quadrados e estava prevista a ampliação destas instalações em mais 28.000 metros quadrados, num investimento de 40 milhões de euros a realizar durante quatro anos.» [Jornal de Negócios]
   
Parecer:
Se a Coca-Cola boicota Portugal a resposta mais lógica é os portugueses boicotarem a Coca-Cola e isso significa boicotar as compras de Coca-Cola e boicotar as empresas que vendam Coca-Cola.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão.»

      
 Más notícias para os nossos Trumpetes
   
«A economia portuguesa começou a acelerar e cresceu 0,8% no terceiro trimestre, face ao trimestre anterior. É o melhor desempenho trimestral desde, pelo menos, o terceiro trimestre de 2014, e ficou acima das previsões dos analistas. Em comparação com o mesmo período de 2015, o produto interno bruto (PIB) cresceu 1,6%, um resultado muito acima do verificado este ano, avança esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Depois de vários trimestres com taxas de crescimento residuais, a economia portuguesa voltou a acelerar. A razão, segundo o INE, é um aumento das exportações mais expressivo que aquele verificado nas importações.

O consumo privado também deu uma ‘perninha’, mas em menor dimensão, graças a um aumento das compras de bens não duradouros e serviços, enquanto que a venda de bens duradouros desacelerou, o que ajuda a manter as importações a crescer menos que as exportações neste período. Uma parte importante dos bens duradouros tem uma componente importada (como por exemplo, os automóveis).» [Observador]
   
Parecer:

Na discussão do OE a bancada parlamentar dos Trumpetes ria à gargalhada quando Mário Ceteno explicava que Portugal estava a crescer mais.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento aos trumpetes do PSD e CDS.»
  
 Carris: quem não pagar bilhete leva com uma apitadela
   
«A Carris vai instalar um alarme sonoro para identificar passageiros que querem andar de transporte sem validarem o bilhete. Inicialmente o dispositivo será apenas instalado nos autocarros da empresa de transportes públicos.

Segundo dados da empresa, citados pela Rádio Renascença, o prejuízo causado por pessoas que não pagam bilhete é de quase um milhão de euros por mês e equivale a uma taxa de fraude de 15% entre os passageiros. Para combater esta realidade, a Carris vai instalar a partir desta terça-feira um sistema capaz de identificar os passageiros que não validam o bilhete da viagem que fazem, através de um alarme sonoro que será ativado através de um sistema de câmaras.

De início o sistema será apenas experimental. Até o final do ano, estará operacional em quatro autocarros da carreira 711 que liga o Alto Damaia ao Terreiro do Paço. O sistema funciona através de câmaras que monitorizam o movimento normal das pessoas a validarem o passe ou bilhete. Sempre que alguém não fizer o movimento correspondente o alarme é acionado.» [Observador]
   
Parecer:

Esperemos que não apareça a Comissão de Utentes sem Bilhete a protestar e a exigir o direito à privacidade pois estamos perante uma lista negra sonora. O problema agora é saber se a Carris vai levar uma apitadela quando o sistema errar colocando um cidadão numa posição incómoda.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 E porque se atrasaram os serviços de Finanças
   
«Os serviços de Finanças receberam instruções da directora-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), Helena Borges, para avançarem com a recolha dos documentos de correcção relativos ao IRS de 2012, a tempo de o fisco enviar as notificações por correio dentro dos prazos previstos e assim poder liquidar os impostos relativos a esse ano. As orientações foram dadas há um mês e, entretanto, o primeiro passo tinha de ser cumprido até ontem.

À luz da Lei Geral Tributária, a AT tem quatro anos para notificar um contribuinte do direito da administração fiscal em liquidar impostos. Caso contrário, esse direito acaba. Como em relação aos impostos de 2012 o prazo termina a 31 de Dezembro, a directora-geral da AT emitiu um ofício aos serviços a estabelecer prazos internos sobre os procedimentos a seguir, para que nas próximas semanas o fisco consiga enviar a tempo as notificações pelo correio.» [Público]
   
Parecer:

O que levará um serviço de Finanças a deixar uma dívida fiscal prescrever, sendo necessário a diretora-geral dar uma ordem para que façam o que já devia ter sido feito?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

 Teodora Cardoso, mais papista do que o Papa
   
«Portugal não deve cumprir as metas do défice estrutural com que se comprometeu com a União Europeia, apesar de garantir essa meta na proposta de Orçamento, tudo porque o Governo decidiu calcular o PIB potencial de modo diferente do que mandam as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento, diz o Conselho das Finanças Públicas, que estima que o esforço valha metade do exigido.

Que o Governo não concorda com a forma como é calculado o PIB potencial, chave no cálculo do défice estrutural, não é novidade. Portugal nem sequer é o único país a questionar estas regras, já que em março, juntamente com outros sete ministros das Finanças da zona euro, Mário Centeno assinou uma carta com uma forte recomendação para que a metodologia fosse revista.

A Comissão respondeu na altura, admitindo que ia analisar o caso (que está a fazer), mas lembrando que a metodologia que é usada atualmente, e com a qual estes países não concordam, foi aprovada por todos os países.» [Observador]
   
Parecer:

Estará a embirrar com o governo ou com a Comissão Europeia.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecidas gargalhada.»

blog comments powered by Disqus