quarta-feira, novembro 23, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Pedro Nuno Santos

Há expressões que no léxico político português devem ser evitadas e desde que Braga de Macedo, ministro das Finanças de Cavaco Silva, disse que Portugal era um oásis na Europa, dizer que Portugal é uma ilha na Europa faz lembrar aqueles de que muitos diziam a brincar ser um adiantado mental. É óbvio que a direita vai usar esta expressão, tentando incluí-la no anedotário político nacional o que não favorece nada o secretário de Estado, de ilhas já nos basta a dos tempos do Alberto João.

«O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, defendeu esta tarde que "estamos, em Portugal, numa ilha de estabilidade". "Quando olhamos para o que acontece no Mundo, nos Estados Unidos e na Europa, onde a incerteza política e instabilidade são grandes, Portugal é um espaço de estabilidade. Esta é uma grande vitoria de uma solução de Governo que muitos antecipavam que seria de instabilidade. Estamos a caminho de aprovar o segundo Orçamento do Estado, temos uma estabilidade politica e social que faz inveja e devemos vincar isso as vezes todas que for possível, porque esta é uma vitoria importante", defendeu.

As palavras de Pedro Nuno Santos foram proferidas num dos painéis das jornadas parlamentares do PS, que decorrem na Guarda, e onde o secretário de Estado fez um balanço extremamente positivo ao primeiro ano de 'geringonça' e saudou o papel desempenhado nesta solução de Governo pelo BE, PCP e Os Verdes.» [Expresso]

      
 Operação Marquês continua investigação do mano da PGR
   
«Os investigadores da Operação Marquês terão descoberto novas provas relativas ao alegado plano de José Sócrates para controlar a TVI, escreve esta terça-feira o jornal i. Os documentos, encontrados em junho em buscas ao banco Haitong (ex-Banco Espírito Santo Investimento), mostrarão que José Sócrates e Rui Pedro Soares, então administrador da PT, pretendiam utilizar o Taguspark (de que a PT era sócia) para realizar a compra da estação de televisão aos espanhóis da Prisa em parceria com o Grupo Lena e investidores angolanos.

A hipótese do Taguspark ser usado para comprar a TVI não é propriamente uma novidade. É um pormenor que já tinha sido descoberto em 2009 durante a investigação do caso Face Oculta por parte do DIAP de Aveiro e que motivou a extração de uma certidão para uma investigação autónoma a Sócrates por suspeitas do crime de violação do Estado de Direito. O então procurador-geral Pinto Monteiro e o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha de Nascimento, impediram a realização dessa investigação por entenderem que as suspeitas do DIAP de Aveiro não tinham fundamento.

A novidade reside no facto de os investigadores da Operação Marquês estarem a investigar o negócio da compra da TVI por entenderem que essa poderá ser mais uma prova da alegada ligação estreita entre José Sócrates e o Grupo Lena. Numa busca realizada ao Haitong, os investigadores terão encontrado notas de uma funcionária do banco feitos durante uma reunião em que foi delineado o plano para a compra da TVI. A funcionária do banco Haitong foi interrogada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal em setembro e confirmou as reuniões que preparavam a “eventual aquisição da Media Capital [dona da TVI] por parte de um consórcio que integrava o Taguspark, o Grupo Lena e outros investidores”, segundo o i.» [Observador]
   
Parecer:

As voltas que a Operação Marquês dá, depois de tantas provas parece que agora pretende dar-se razão às desconfianças do irmão da Procuradora-Geral e que são profusamente divulgadas no livro da "alcoviteira" de Belém. As investigação parece que seguem agora no trilho dos ódios cavaquistas.

Tudo começou com uma suposta transferência de dinheiro comunicada pela CGD e depois de passar pela Venezuela, Angola e Algarve, a investigação desvia-se do trilho da corrupção para investigar outro tipo de crimes. Significa que se procuram mais crimes ou que ainda não se provou um crime?
   
Despacho do Diretor-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Os pafiosos estão de voltam
   
«Está aí a “PàF autárquica”: PSD e CDS vão fazer um acordo autárquico para as eleições locais de 2017, similar ao de há quatro anos quando estavam juntos no governo. Já está a ser esboçado um documento e, segundo apurou o Observador, já houve a primeira reunião do grupo responsável por fechar o “acordo-quadro”. Na última terça-feira, 15, houve o primeiro encontro entre PSD e CDS para discutirem o assunto com os dois coordenadores autárquicos (Carlos Carreiras, pelo PSD; Domingos Doutel, pelo CDS) a reunirem-se na sede social-democrata, na São Caetano à Lapa, numa reunião o onde também estiveram os dois secretários-gerais: José Matos Rosa (PSD) e Pedro Morais Soares (CDS).

Embora ainda não estejam fechados, os acordos PSD/CDS deverão ultrapassar largamente a meia centena de autarquias (em 2013, quando fecharam o acordo eram 69 e acabaram por ser 89 câmaras ) e, explicou fonte social-democrata ao Observador, “as coligações, tal como há quatro anos, permitirão que se juntem outros partidos mais pequenos como o Partido Popular Monárquico ou o Movimento do Partido da Terra”. De acordo com a mesma fonte “o documento está a ser trabalhado, mas tem por base o de há quatro anos e deverá ser muito parecido”.» [Observador]
   
Parecer:

Agarram-se um ao outro para tentarem evitar o afogamento.
   
Despacho do Diretor-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver o que vai suceder em Lisboa.»

 Palhaçada orçamental
   
«Pedro Passos Coelho tinha avisado que o PSD não entraria em negociações de "mercearia" no debate sobre o Orçamento do Estado para 2017 e que só iria a jogo com propostas de alteração de natureza "estruturante". São essas "propostas estruturantes" que o PSD se propõe apresentar e debater esta quarta-feira de manhã, num colóquio na Assembleia da República.

Os deputados sociais-democratas foram surpreendidos na segunda-feira à noite com uma "convocatória urgente" do líder parlamentar, Luís Montenegro, para estarem presentes na quarta-feira numa "reunião aberta do grupo parlamentar" – ou seja, com a presença da comunicação social e "difundida em direto pelos canais do PSD". Depois de um processo de preparação de propostas de alteração ao OE no qual o grupo parlamentar nunca participou –o trabalho ficou confinado à direção do partido e do grupo parlamentar – os deputados vão finalmente conhecer essas propostas ao mesmo tempo que o país. "Somos os figurantes que vão lá bater palmas", desabafava esta manhã um deputado social-democrata.

Nesta espécie de showcase das "propostas estruturantes" do PSD, Luís Montenegro é o primeiro a ocupar o palco e Pedro Passos Coelho será o último. Pelo meio, três especialistas convidados vão falar das grandes áreas destacadas pelo partido: Miguel Poiares Maduro, ex-ministro com a tutela do Desenvolvimento Regional vai falar de descentralização e poder local; Pedro Reis, ex-presidente da AICEP e atual presidente do Instituto Sá Carneiro, vai apresentar as propostas sobre economia e investimento; Paulo Ferreira, ex-diretor nacional do Instituto de Segurança Social, vai falar das ideias dos sociais-democratas para a reforma da Previdência.» [Expresso]
   
Parecer:

Depois de se ter recusado a colaborar no OE de 2015 o PSD prepara uma palhaçada orçamental, com uma sessão parlamentar exclusiva sobre propostas orçamentais que não propôs e usa agora para dar espectáculo. Primeiro Passos organizou as cortes orçamentais de Albergaria-a-Velha, onde apresentou as suas patacoadas no estatuto de primeiro-ministro no exílio. Agora vai ao parlamento fazer o seu show exclusivo, para a comunicação social e sem qualquer espécie de contraditório.

Enfim, Passos Coelho passou agoira à fase do primeiro-.ministro no exílio falando para o parlamento dos pequeninos, onde só ele e o Montenegro falam, enquanto os outros babacas aplaudem.

Despacho do Diretor-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 Espaço aéreo português
   
«A Força Aérea Portuguesa intercetou na semana passada dois bombardeiros russos em espaço aéreo de responsabilidade portuguesa, avançou hoje a edição online do Público.

Segundo esta fonte, o incidente ocorreu na madrugada de quarta para quinta-feira, tendo a Força Aérea feito o acompanhamento dos dois aparelhos por razões de segurança, embora estes não tenham feito qualquer ameaça ou mostrado uma atitude de hostilidade.» [DN]
   
Parecer:

Espaço vigiado por Portugal no âmbito na NATO, espaço aéreo português ou espaço aéreo sob jurisdição portuguesa é que não. Do ponto de vista internacional tratou-se de uma provocação pois bastariam os radares para acompanhar os aviões.
   
Despacho do Diretor-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao DN que seja mais cuidadoso nos conceitos que usa, não vá alguém levar os seus títulos a sério.»

 Marcelo ainda mata o Passos com um ataque de caspa
   
«O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta terça-feira que "é sempre boa notícia" haver condições financeiras para o reembolso antecipado de duas 'tranches' do empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) que foi anunciado pelo Governo.

"Quando se entende que há condições financeiras - e é o Governo o juiz dessa decisão - para antecipar reembolso isso significa que há disponibilidade para o efeito e portanto, a confirmar-se, é sempre boa notícia", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas no final da sessão de entrega de prémios do 13.º Encontro Nacional de Inovação COTEC, que decorreu esta terça-feira em Lisboa.» [DN]
   
Parecer:

Com bocas destas não é diabo de Massamá que aguente.
   
Despacho do Diretor-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

blog comments powered by Disqus