domingo, junho 16, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo Flor-Monsanto_zps98e09737.jpg

Flor do Parque Florestal de Monsanto

 Murro no estômago

 photo joaopintoecastro_zpsb519e35a.jpg

É uma frase já gasta, perguntar porque partem os bons e ficam os canalhas, ainda por cima com tanto canalha a destruir o país. Foi em luta pelo progresso desse país que conheci João Pinto e Castro, foi um prazer, como também o foi ler as suas crónicas muitas vezes aqui reproduzidas. 

Adeus.

 photo JPC_zps309d0b36.jpg
 
 Cavaco Silva

O governo de Passos não é um governo de iniciativa presidencial, Cavaco é que é cada vez mais um presidente de iniciativa governamental.
 
 Consenso?
 
Como é possível falar de consenso com um gajo que perante uma greve diz que vai alterar a lei da greve para que da próxima vez qualquer greve se pareça mais com um piquenique do que com uma luta laboral?
 
Um dia destes não consegue convencer a oposição a votar uma lei que exige dois terces e vinga-se alterando a constituição com a sua maioriazinha. Não há consensos possíveis com gente sem ética democrática.

 No mini-governo de Paulo porta é só sucessos
    
 photo CDS_zps3c698499.jpg
 
Portugal não tem um governo mas dois, o governo do Passos e o governo do Portas, podendo ainda considerar-se que há o governo de Gaspar, isso se o governo de Passos não o for. No governo do Passos é só asneiras, o Crato espeta-se, o Gaspar não acerta uma e o Álvaro ri dele à gargalhada. No governo do CDS é só sucessos, exportações agrícolas, investimentos, cerimónias e feiras atrás de feiras para Paulo portas visitar.
 
 O ódio à esquerda é sempre mais forte e leva à irracionalidade
 
 photo odio_zps9a15e510.jpg


  
 Tempos difíceis
   
«São dias estranhos os que vivemos. A 10 de junho, Dia de Portugal, num desabafo público, um cidadão dirige-se ao Presidente da República e, sentindo-se "roubado", recomenda a Cavaco Silva que vá trabalhar. Dois agentes paisanos, ao melhor estilo de uma qualquer polícia política, catam o homem em frente da mulher e dos filhos, levam-no à presença de um juiz e, sumariamente, é julgado e condenado ao pagamento de uma multa de 1300 euros. Bem pode vir agora o Ministério Público requerer a anulação do processo, que não muda a perceção que hoje temos do Estado. Fraco com os fortes e forte com os fracos.

É o mesmo Estado que, por exemplo, fica impassível perante os insultos recorrentes de Alberto João Jardim contra todos os órgãos de soberania da República ou que é tolerante com um ex-secretário de Estado que manda "tomar no cu", por inerência, o seu ex-colega de Governo, o ministro das Finanças.
No mesmo dia, Cavaco protagoniza um dos momentos mais lamentáveis da sua presidência. Num exercício que muitos diriam de inspiração estalinista, o Presidente ignora o pior ano das nossas vidas e tenta a reescrita da história do período em que, como primeiro-ministro, aceitou que o desmantelamento da agricultura portuguesa fosse moeda de troca para a adesão à CEE. Não é mito, é apenas facto. Era o tempo em que se pagava aos agricultores para abandonarem a terra e não produzirem. Perante tamanha desfaçatez, até as vacas dos Açores devem ter deixado de sorrir.

Mas este é também o tempo em que, perante a decisão do Tribunal Constitucional, o Governo decide desobedecer e dar ordens para que não se pague em junho, como manda a lei, o subsídio de férias aos funcionários públicos. E não é por falta de dinheiro, garante o primeiro-ministro. É apenas porque sim. Além de retaliação inaceitável, é só mais um exemplo do irregular funcionamento das instituições que deveria merecer a intervenção do Presidente da República. Mas aos costumes, Cavaco nada diz.

Alinha, aliás, com a maioria PSD/CDS, cada vez mais minoritária no País, quando esta defende o direito à greve desde que não chateie ninguém. Mantém-se em silêncio, como, aliás, todas as forças políticas nacionais e internacionais, órgãos de poder da União e governos europeus, perante o ataque à democracia e o precedente gravíssimo que significa o encerramento por decreto do serviço público de rádio e televisão na Grécia. E subscreve, certamente, os argumentos do seu correligionário dr. Catroga, que, ainda esta semana, justificava o mau desempenho do Governo português e os trágicos resultados do programa de ajustamento com o facto de a economia não ser uma "ciência exata", com a agressividade dos sindicatos que fazem greves por tudo e por nada e com a necessidade de todos oferecermos ao País - "é o mínimo que se pode exigir a um cidadão", dizia sem se rir - 40 ou até mesmo 50 horas semanais de trabalho ganhando menos.

A pátria dispensa, seguramente, os "Catrogas" e outros que tais, que sonham transformar Portugal numa espécie de Lancashire Coketown, a horrível e triste cidade do carvão do livro de Dickens, filha da Revolução Industrial, em que os operários, novos e velhos, eram forçados a trabalhar tantas horas quanto o corpo aguentasse.

Essa pobreza e subjugação é o nosso destino, se não deixarmos urgentemente de dar ouvidos às pantominices que nos impingem sobre o imperativo de cortar nas pensões e nos salários, de despedir gente a eito na administração pública engrossando o gigantesco exército de desempregados - quando todas as estatísticas indicam que o Estado, afinal, não é assim tão gordo quando comparado com a média da UE - ou cortar nas despesas com Educação ou Saúde. A alternativa passa por, além de racionar as despesas, gerir melhor, acabar com os tóxicos swaps, pôr fim às pornográficas rendas da energia ou pela renegociação corajosa e patriótica das obscenas PPP. Mas para que isso aconteça, e para que os tempos deixem de ser difíceis, são precisos patriotas.» [DN]
   
Autor:
 
Nuno Saraiva.

 Crato, os professores e a não política
   
«Foram para a política quando deviam ter ido para patrões no Bangladesh. Ali não precisariam de saber fazer política - isto é, prevenir, ceder aqui e influenciar ali, ser maquiavéis e discutir... -, só precisavam de distribuir umas lamparinas em caso de reticências. Mas não, foram para a política, a arte do compromisso. O azar é que lhes calhou a taluda e chegaram ao Governo. Era como se o alheado do Vítor Gaspar chegasse a ministro das Finanças. Ah, chegou?! Então já sabem. O problema é que ele não é caso único de tipo que chumba cada dia. Por falar em chumbar, peguem no Crato dos exames. Foi para patrão dos professores, um sector coriáceo (tão duro e tão cego que foi dos que mais ajudaram a instalar esta trupe no Governo). Ministro, Nuno Crato tinha um plano para tirar poder aos professores. Atenção, não vou aqui discutir se é justo ou não, digo que há plano. Logo, se era para os combater, um político nunca teria pensado em fazê-lo quando os professores são mais capazes de mostrar a sua força de grupo. Ora que altura escolheu o ministro para o confronto? A época de exames, que é como invadir a Rússia no inverno. Dando-se conta da asneira, Crato recorreu aos tribunais para impedir a greve dos professores. Pois ontem soube-se que ele não vai poder obrigar aos serviços mínimos porque faltava papelada no que mandou para o tribunal! Crato exige exames e ele próprio chumba a todos. Resta-lhe ir para o Bangladesh mandar em mudos.» [DN]
   
Autor:
 
Ferreira Fernandes.
   

   
   
 photo Andris-Eglitis-5_zpscb500621.jpg
  
 photo Andris-Eglitis-4_zps413fc1a3.jpg
   
 photo Andris-Eglitis-3_zpsa54d1aa4.jpg
   
 photo Andris-Eglitis-2_zpse10fe0de.jpg
  
 photo Andris-Eglitis-1_zps4a6c54cc.jpg
blog comments powered by Disqus