terça-feira, junho 25, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo Sintra_zps31380e2b.jpg
Sintra
   

 Depois do Magalhães a Embraer

 photo EMbraer_zps4ac99045.jpg

A obra de Passos Coelho é tão escassa que para aparecer nas televisões armado em primeiro-ministro crescido Passos Coelho socorre-se do trabalho que lhe foi deixado por Sócrates.
 
 Renegociar o défice antes de ou depois de?
 
Renegociar o défice antes da elaboração do OE 2013 teria sido uma opção, um acto de inteligência para uns, uma decisão questionável para outros. Renegociar o défice a meio de 2013 e depois de perdidas todas as esperanças de cumprir com um OE mal elaborado é um desastre, é colocar o país nas mãos dos amigos duvidosos do Gaspar e dizer aos mercado que o governo português atirou o país para uma espiral de recessão e agora caminha para um segundo resgate.
 
 Uma pergunta ao Passos
 
Se os mercados já confiam no país e a venda de dívida é uma prova disso porque razão as agências de rating não mudam a notação que é atribuída à dívida soberana portuguesa? Se o Passos não sabe responder que o peça ao académico Maduro para ver se é melhor nas cambalhotas do que o seu antecessor, o académico Relvas.





 Em Alcobaça, nada de novo
   
«O Conselho de Ministros reuniu, no sábado, no Mosteiro de Alcobaça, para assinalar os dois primeiros anos de governo PSD-CDS. O local, onde repousam a bela Inês e o seu amado Pedro, foi o escolhido para fazer um balanço do passado governativo e definir o rumo para os dois anos finais do mandato que lhes foi conferido pelos portugueses. Sobre o passado não se sabe nada, porque nada foi dito, nem uma palavra de lá saiu, mas é fácil de calcular perante tantas provas e evidências produzidas nestes dois anos: só pode ter sido tratado como um desastre, cujas consequências sobre o futuro dos portugueses ainda não estão totalmente apuradas. O que saiu do conclave, descontraído e informal, para enganar papalvos, como as férias de Verão na Manta Rôta do primeiro-ministro, foi muito pouco para tão respeitável efeméride, mas dá para entender que ninguém naquele Conselho de Ministros quer qualquer relação de proximidade com o que sobra da política do "daqui ninguém sai vivo", não na versão de Jim Morrison, mas na versão de Vítor Gaspar. E não é para menos: já todos perceberam que o ministro das Finanças, respaldado num primeiro-ministro incompetente e quezilento e num Presidente da República reformado, arruinou o país - mais do que já estava - por muitas décadas.

Já assistíamos a um despudorado lavar de mãos de muitos autarcas do PSD que se envergonham dos resultados das políticas executadas pelo partido pelo qual concorrem, escondendo na sua propaganda eleitoral o símbolo do partido, o que não abona nada a seu favor, nem da hombridade política e da transparência que é devida aos eleitores. Agora, no Mosteiro dos monges de Cister, o governo também quis lavar as mãos, como Judas, da política do "daqui ninguém sai vivo" de Vítor Gaspar. Para tal, ensaiou a transferência do protagonismo político, nos próximos dois anos, de Vítor Gaspar para Paulo Portas e Poiares Maduro, acentuando ainda mais a irrelevância do primeiro-ministro, senão mesmo do PSD. Paulo Portas, a coordenar a "reforma do Estado", forneceu a "nova" estratégia política do governo para os próximos dois anos, através das medidas que constam na sua moção ao congresso dos centristas, uma agenda para o "crescimento económico": reposição progressiva dos rendimentos de funcionários públicos e pensionistas, desagravamento progressivo do IRS e da sobretaxa, aumento do salário mínimo nacional. Poiares Maduro, com o seu ar desempoeirado, ficou responsável pela estratégia de coordenação política e comunicação, em que irá repetir, à saciedade, em conferências de imprensa diárias, as palavras "consenso", "credibilidade", "esperança", "sempre fiéis à verdade".

Mas, sejamos realistas: esta "mudança" de política ensaiada em Alcobaça, uma falcatrua para eleitor ver, uma peça de teatro mal ensaiada, vai sair furada para mal dos nossos pecados. Não há uma única medida do governo que altere o rumo traçado desde o primeiro dia. O que se aproxima até ao fim deste ano e durante 2014 são despedimentos aos milhares na função pública, são cortes de mais de quatro milhões de euros na despesa do Estado, o que corresponde, no essencial, a uma transferência dessa despesa para os cidadãos, que provocarão ainda mais retracção económica e mais desemprego, mais défice (já se negoceia com a troika nova flexibilização nas metas do défice para este ano e o próximo), mais dívida externa, mais pobreza e miséria. Esta é a linha de rumo que está traçada e, quanto a isto, não há estratégia de comunicação de Poiares Maduro que alivie a rota de descalabro traçada, nem promessas de Paulo Portas que nos salvem.

Vítor Gaspar, o homem forte desta bancarrota, do qual o PSD agora se quer descartar, mal a troika desabelhe, não dorme. Nem ele, nem o ministro das Finanças alemão.» [i]
   
Autor:

Tomás Vasques.
blog comments powered by Disqus