sábado, novembro 21, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura


  
 Jumento do dia
    
Passos Coelho

Passos Coelho foi a Cavaco dizer que deve ser exigido um governo estável, este é o mesmo político que depois de ter falhado a criação de uma solução governativa estável aceitou formar um governo fantoche na esperança de se manter mais de seis meses em gestão. Este é o político que chamou fraude a um governo do PS. Isto é, este é o político que foi a Cavaco pedir que o futuro governo seja uma fraude estável e que se aguente uma legislatura. Este é um político que levou um mês e meio a perceber as regras da democracia e a aceitar que teve uma derrota com sabor a vitória.

«Se o Presidente da República estivesse em pleno uso das suas competências, o PSD pedir-lhe-ia que dissolvesse o Parlamento e convocasse novas eleições legislativas, mas, como a Constituição não o permite, Pedro Passos Coelho disse esta sexta-feira a Cavaco Silva que deve exigir ao PS que forme um Governo "estável".

“Cabe ao PS construir uma solução de Governo que corresponda àquilo que o próprio PS disse que era indispensável e sem o que não derrubaria o Governo que saiu das eleições: ter uma maioria estável, duradoura e credível, que ainda não tem”, afirmou Pedro Passos Coelho.» [Público]

 É uma pena que a tristeza não pague dívidas

 photo _infelizes_zpspqenwbzx.jpg

 Ainda está a tempo

Já não são os 35,3% da campanha eleitoral mas ainda está a tempo de saber quanto receberia de reembolso da sobretaxa de o Núncio e os Portas não fossem uns vigaristas que decidiram usar o dinheiros das empresas para o enganar. Entre no Site da AT e fique a saber quanto receberia de sobretaxa se o ano acabasse hoje, aproveite porque não votará a ter essa sensação única, ainda está a tempo de ter a sensação de que vai receber algum!

 Qual crise política?

O que se está a passar em portugal não é uma crise política, é um problema de saúde do foro da geriatria.
   
      
 Ele queria era um governo de indigestão
   
«Ele vai indigitar um governo de gestão. Tivesse decidido na Madeira, era certo. Ele pegava nos deputados da esquerda, comparava com os da direita, e dizia para estes: "Vocês têm maior tamanho." Na Madeira o tamanho mede-se a olho pelo míope. O que é um míope? É o que vê com nitidez os próximos (no míope em questão, os da direita) e vê embaciados os distantes (no caso, os da esquerda). O nosso míope raramente tem dúvidas e nunca apostaria no escuro. Vai apostar no que lhe é mais nítido, até porque este só lhe serve de pretexto. O indigitado, escolhe ele. Ele adoraria ter um governo seu para os últimos dias do seu último mandato. Na ópera, um tombar de pano destes chama-se grand finale. O prazer que vai ser o dele, que passou anos a tratar os secretários de Estado como "ajudantes", acabar a vida política a tratar, no governo de gestão, o primeiro-ministro por simples gerente! Tivesse sido na Madeira, pois, sopesando os tamanhos com o pouco jeito que ele tem para isso (exceto quando se trata do dele: um dia disseram-lhe o peso do salário de Chefe de Estado, mas ele optou pela reforma...), era certo ele escolher um governo de gestão. Mas com a decisão em Lisboa, já não estou tão certo. Aqui tudo se sabe, e são tantas as pequeninas questiúnculas entre os parceiros do acordo do PS, que talvez ele indigite Costa. Ainda maior grand finale para ele, seria ver o dilúvio depois dele. "Eu não disse?" é o seu epitáfio preferido.» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.

      
 Menos um jiahdista tuga
   
«Sadjo Turé, de 35 anos, é o quinto jihadista português morto em combate na Síria, o segundo a morrer originário da linha de Sintra, nos arredores de Lisboa, e radicalizado no bairro londrino de Leyton, depois de ter emigrado para o Reino Unido. A morte de Turé ocorreu na sequência dos ferimentos provocados após um confronto com as forças militares fiéis ao Presidente Bashar al-Assad.

Em 2014, Sandro Monteiro “Funa”, 36 anos, foi a primeira baixa entre os jihadistas portugueses que integram as fileiras do autoproclamado Estado Islâmico (EI). A sua morte ocorreu após um bombardeamento aéreo em final de Outubro e nove meses depois de ter entrado em território sírio a partir da Turquia.

Do grupo originário da região de Sintra que emigrou para Londres, se converteu ao Islão e, posteriormente, se radicalizou aderindo ao EI, constam os irmãos Celso e Edgar Costa, de quem foi divulgado recentemente um vídeo de apologia do terrorismo, Fábio Poças e Nero Patrício Saraiva.» [Público]
   
Parecer:

Menos um.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Que a terra lhe seja leve.»
  
 Este parece que caiu da cadeira e não sabe
   
«Em declarações à margem do Conselho extraordinário de ministros da Justiça e de Assuntos Internos (JAI) da União Europeia, hoje realizado em Bruxelas na sequência dos ataques terroristas de Paris a 13 de novembro, Fernando Negrão assegurou que "as forças de segurança terão todas as respostas que decorrerem de todas as medidas aprovadas na reunião JAI", sem que tal implique necessariamente uma "derrapagem" nas contas públicas.

Questionado sobre se Portugal seguiria o "lema" de França, que anunciou que, nas atuais circunstâncias, o pacto de segurança está em cima do Pacto de Estabilidade, e que falharia as metas do défice face aos gastos extraordinários com o reforço de meios humanos e materiais na luta antiterrorista, o ministro defendeu que um caminho possível em Portugal é sacrificar algumas áreas do orçamento para investir noutras.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Alguém se esqueceu de lhe dizer que não vai decidir nada.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

   
   
 photo Igor-Fumm-2_zpsoxa3n8fb.jpg

 photo Igor-Fumm-1_zpsvls7v1ht.jpg

 photo Igor-Fumm-3_zps9igympbu.jpg

 photo Igor-Fumm-4_zpsb0ic85qx.jpg

 photo Igor-Fumm-5_zpshy48i79l.jpg
  
blog comments powered by Disqus