sexta-feira, novembro 06, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura


  
 Jumento do dia
    
Maria Luís

Alguém devia dar um curso intensivo de democracia à ministra das Finanças. Como é que se pode chegar a um compromisso com gente golpista que desrespeita sistematicamente tudo e mais alguma coisa e que usa um governo que ainda não o é na sua plenitude para travar luta politico-partidária,

«Para evitar que uma série de medidas orçamentais deixem de estar de pé no início de 2016,pelo facto de não haver novo Orçamento do Estado a 1 de Janeiro do próximo ano, o Governo aprovou nesta quinta-feira propostas legislativas para manter parte dos cortes salariais na função pública e para manter em vigor a sobretaxa de IRS.

No entanto, os cortes serão mais baixos do que os aplicados este ano e a sobretaxa será mais baixa, tal como estava previsto no Programa de Estabilidade enviado pelo anterior executivo à Comissão Europeia em Abril deste ano.

O Governo propõe que as reduções nos salários da função pública “sejam novamente revertidas em mais de 20%”, passando essa reversão a situar-se nos 40%, e que a sobretaxa baixe para 2,625%, anunciou a ministra das Finanças, em conferência de imprensa.» [Público]

 O problema é quando se cai em desgraça

 photo _DESGRACcedilA_zpsga2wc8oo.jpg

Depois do que têm sucedido com Sócrates era de esperar que a nossa justiça afirmasse que tanto torce o pescoço a alguém da esquerda como é capaz de dar um beliscão a alguém da direita, Miguel Macedo caiu em desgraça e agora é o bombo da festa, como diriam os brasileiros é o boi da piranha, o animal atirado aos peixes para que a manada passe tranquilamente.

 Haja alguém só com boas notícias!

 photo _boas_zpsl09dficx.jpg

 Há imagens que valem por mil palavras

 photo _JJ_zpsuvahxb2n.jpg
  
      
 Outro
   
«É uma faceta da vida de Marcelo Rebelo de Sousa menos conhecida pela generalidade dos portugueses. Na conferência “Conversas com Deus”, uma iniciativa moderada por Maria João Avillez e patrocinada pela Renascença, o candidato presidencial falou da sua relação com a fé ao longo da vida – uma fé praticada para os outros e com os outros – e, entre outras revelações, disse rezar “o terço todos os dias”, sobretudo nos “sítios menos ortodoxos possíveis”.

A metáfora do rally paper acompanhou, de resto, a conversa de Marcelo Rebelo de Sousa. “A vida cristã é uma espécie de rally paper onde se marca e perde pontos. Pecamos 10 vezes e temos três boas ações, é mais ou menos a minha média”, confessou o professor, antes de revelar que continua a fazer um balanço diário das suas ações e que chegou, inclusive, a atribuir classificações no final de cada dia. Mas foi obrigado a desistir. “Há dias catastróficos que correm muito mal”, acrescentou, entre risos.» [Observador]
   
Parecer:

Depois do Calvão é a vez do beato Marcelo vir evangelizar-nos. É um nojo estar a cobrar aos eleitores as suas opões religiosas ou as boas acções que faz a título de bilhete de entrada no paraíso.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Marcelo que se deixe de evangelizações.»
  
 Fazer negócios enquanto se pode
   
«Nove meses depois de ter arrancado, está quase concluído o processo de venda de 61% do capital da TAP ao consórcio Atlantic Gateway, que junta o empresário português Humberto Pedrosa e o norte-americano David Neeleman. Segundo as informações recolhidas pelo Expresso, o processo de venda está na reta final.

Fontes próximas do processo confirmam estar a trabalhar "dia e noite" no sentido de ultimar o fecho da operação, mas não confirmam a data apontada pela Associação Peça a Palavra, que diz que "o Governo pretende concluir o negócio de venda da TAP na próxima quinta-feira, dia 5 de Novembro, pelas 12h". Contactado pelo Expresso, o ministério da Economia não confirma esta data. Também contactada, a Parpública não comenta.

A confirmar-se, a assinatura do contrato final acontece ainda antes da apresentação do programa de governo, que acontece no início da próxima semana, e depois de os bancos credores da empresa já terem cedido à renegociação da dívida com os futuros acionistas, conforme noticiou o Expresso há duas semanas, aceitando prolongá-la por um período de sete anos (€646,7 milhões mais €120 milhões adicionais pedidos pelo consórcio para financiamento corrente).» [Expresso]
   
Parecer:

Foi para isto e não por questões de princípios ou de respeito pelo parlamento que Cavaco empossou Passos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

 Faltou um danoninho
   
«O objectivo do movimento “Compromisso Democrático” era “unir o que está dividido”. Para tal, nesta quarta-feira ao final do dia, juntou cerca de mil pessoas para ensaiar um cordão humano que ligasse o Parlamento às sedes do PS, PSD e CDS. Uma hora depois, a imagem que se pretendia não tinha sido atingida, apesar de a organização garantir que se tinha ficado perto. “Ficou a faltar só um bocadinho”, gritava um dos elementos ao microfone quando os participantes regressavam já à fachada do Parlamento para os discursos de encerramento. O grupo dos balões rosa ficou à entrada do Largo do Rato, sede do PS. O cordão dos balões laranja chegou à Lapa, mas sem atingir a rua da sede do PSD. E os do balão azul nem perto ficaram de chegar ao Largo do Caldas.

Ainda assim, em frente à Assembleia da República, não deixou de se falar em “momento histórico”. O porta-voz da iniciativa, Tomás Almeida, depois de apresentar o movimento como a “voz da sociedade civil”, afirmou que a manifestação era de quem não podia “aceitar o clima de insulto” entre os partidos e de quem acreditava num entendimento entre PSD, PS e CDS. “Ainda é tempo de compromisso, ainda é tempo de Portugal”. Antes, havia dito ao PÚBLICO que o que o movia era a premência de sair da “situação grave” em que o país mergulhara, e que “obrigava a que os portugueses se unissem”.» [Público]
   
Parecer:

Esta direita chega a ser divertida. Enquanto governaram com um poder ilimitado não se lembraram de balões nem de compromissos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecidas gargalhada.»
  
blog comments powered by Disqus