sexta-feira, janeiro 22, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura


  
 Jumento do dia
    
Marisa Matias

A candidata do BE aproveitou-se da questão das subvenções a políticos e avança com a sua cruzada populista. O problema é que essas pensões são trocos ao pé do que a candidata tem ganho no Parlamento Europeu, mas sobre esse tema nada se diz, só o Marinho Pinto é que quase foi eliminado da política quando se soube o que ganhava em Estrasburgo.

«Marisa Matias recusa votar ao esquecimento o tema das subvenções vitalícias dos políticos - cuja revogação foi chumbada pelo Tribunal Constitucional (TC) - e afirmou esta quarta-feira, em Braga, que esse regime "é um autêntico desfalque" e apenas reflete "a falta de escrúpulos de quem o aprovou e decidiu manter".

A candidata à Presidência da República endureceu o tom para com os 30 deputados (21 socialistas e nove sociais-democratas) que recorreram ao Palácio Ratton, e também falou grosso para os juízes. "O regime das subvenções vitalícias, num país em que se chega a trabalhar 50 anos por pensões de miséria, não tem nenhuma sombra de legitimidade. É um autêntico desfalque de dinheiros públicos tornado legal pela falta de escrúpulos de quem o aprovou e decidiu manter", atirou a eurodeputada, muito aplaudida por uma plateia onde estava, entre outros, o fundador do BE Francisco Louçã.» [DN]

 Conclusões antecipadas

 photo _sondagem_zpsbhtpd01j.jpg

Independentemente dos resultados finais confirmarem ou não as sondagens é possível tirar já algumas conclusões com base na tendência:
  • O PCP paga cara uma candidatura presidencial falhada, é batido de forma quase humilhante pelo BE e Edgar Silva pode valer pouco mais do que o Tino de Rãs.
  • Marisa Matias é incapaz de segurar os votos do BE.
  • O PS perde uma boa parte dos seus votos para o candidato da direita.
  • Marcelo Rebelo de Sousa humilha Passos Coelho e Paulo Portas, não só os obrigou a apoiá-los a contragosto como poderá dizer que não precisou desse apoio.
  • Os seguristas podem esquecer uma tentativa de incomodar a liderança de António Costa, poderão ter ajudado Marcelo a ganhar as presidenciais mas foram humilhados e Assis não poderá voltar a dizer que o pessoal dos leitões representa metade do eleitorado do PS.
  • Marcelo, António Costa e Catarina Martins ganham, Francisco Assis, Maria de Belém, Paulio Portas, Passos Coelho, Jerónimo de Sousa e Sampaio da Nóvoa perdem.
 Maria de Belém não desistiu

Com o ambiente aceso por causa das subvenções até parecia que Maria de Belém tinha decidido fazer luto até às eleições, deixando de fazer uma campanha em que está em queda livre.

 Síria

 photo _syria_zps5qf6l4kv.jpg

UNICEF Boys carrying chopped firewood. We’re working to reach 1 million children throughout #Syria with winter supplies

 Gostei de ver

Manuel Alegre defender a honra de Mário Soares das ofensas de Sampaio da Nóvoa, já não gostei lá muito de ver Alegre distorcer as palavras de Sampaio da Nóvoa.

      
 Secretas fazem escutas ilegais
   
«O Ministério Público deverá ser confrontado em breve com a necessidade de investigar a alegada prática generalizada de escutas ilícitas por parte dos serviços de informações. Tudo porque João Luís, ex-diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) que está a ser julgado pelos crimes de acesso indevido a dados pessoais e abuso de poder no âmbito do chamado caso Ongoing, extravasou as fronteiras do processo na última sessão e afirmou claramente que os serviços de informações têm uma atividade regular que lhes está expressamente proibida pela lei: a realização de escutas ambientais. Perante a surpresa geral do tribunal, João Luís resolveu ‘abrir o livro’ – parte dele, pelo menos.

Questionado pelo seu advogado, Paulo Simão Caldas, sobre se sabia da existência de material utilizado “exclusivamente para escutas telefónicas nos serviços [de informações]”, João Luís afirmou em tribunal:

«Antes das tecnologias existia, existe, material para escutas. Estive envolvido em várias dessas escutas e esse material ainda deve lá estar”. Aparelhos esses que, explica, serviam para escutar “telefones fixos, de sala para sala”. Hoje em dia, porém, o material técnico é outro e é utilizado em várias escutas ambientais, mas não em telemóveis: “Que eu saiba não existe nenhum para escutas de telemóveis”.» [Observador]
   
Parecer:

Em qualquer feira internacional é possível comprar equipamentos móveis de escutas que permitem escutar telecomunicações sem a intervenção do operador. Não só os equipamentos podem ser adquiridos como muitos países não estabelecem limites legais à sua utilização. Apetece perguntar se só as secretas estarão a fazer escutas, recordo-me de quando surgiu a investigação a Armando Vara (Face Oculta) a comunicação social chegou a dar conta que as conversas de Vara na Rua Augusta teriam sido escutadas com equipamentos sofisticados a partir da vizinhança do BCP.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Jovens viciados em jogos da Santa Casa?
   
«O Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) não vê necessidade de reforçar a fiscalização sobre as apostas ilegais de menores no Placard e considera que está a falhar também o controlo dos pais, que dão aos filhos o número de contribuinte para que possam jogar.

"Nós temos a obrigação de controlar e de evitar que os menores joguem, e fazemo-lo através da formação dos mediadores (postos de venda) e da fiscalização por parte das autoridades. Mas depois há uma questão de educação por parte dos pais, que têm de ser sensibilizados. Os pais têm de tomar consciência de que isto pode ser um problema para os seus filhos e não lhes dar o número de contribuinte para que possam jogar. Mas acham graça e permitem", diz ao Expresso o vice-provedor e administrador-executivo do Departamento de Jogos da SCML, Fernando Paes Afonso.

O Placard, jogo de apostas desportivas lançado em setembro pela Santa Casa e que se revelou um enorme sucesso, com quase meio milhão de jogadores e mais de 65 milhões de euros em vendas, está a ganhar fama entre os menores, que chegam a fazer fila em papelarias e quiosques próximos das escolas para fazerem as apostas. Como estão legalmente impedidos de apostar até completarem 18 anos, os mais jovens dão o número de contribuinte dos pais ou de um amigo mais velho, requisito obrigatório para poderem jogar.

"A experiência dos nossos parceiros internacionais dava-nos conta de que este tipo de jogo podia atrair o interesse de jovens menores. Foi também por isso que associámos o Placard à obrigatoriedade de dar o número de contribuinte, o que não acontece noutros jogos", explica o responsável.

Segundo o "Jornal de Notícias" desta quinta-feira, a GNR de Alpiarça identificou dois menores de 15 e 16 anos na posse de um boletim do Placard e levantou uma contraordenação a um quiosque perto da escola secundária local por ter vendido as apostas aos jovens. A denúncia foi feita por educadores e encarregados de educação, que alertaram a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens do concelho para o facto de os jovens estarem a gastar o dinheiro das refeições para fazer as apostas desportivas.» [Expresso]
   
Parecer:

Hoje há muitos milhares de portugueses viciados em jogos da Santa Casa, designadamente, na Raspadinha e no Placard. Basta ir a qualquer quiosque para se perceber isso e o argumento da idade é um falso argumento pois nos casinos só se pode entrar com mais de 18 anos e existem grandes problemas de jogo com adultos, daí existirem mecanismos preventivos, o que não sucede na Santa Casa, ou mesmo nos muitos sorteios das televisões.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Estude-se o problema.»

 E agora Carlos Costa?
   
«Os maiores bancos do mundo vão reunir-se hoje, ao meio-dia, em Londres, para avaliar o problema criado pelo Banco de Portugal nas obrigações do Novo Banco, confirma a Associação Internacional de Swaps e Derivados (ISDA, na sigla em inglês), com sede na City londrina. Ontem, houve uma primeira reunião. Foi inconclusiva.

O encontro de urgência na ISDA pode decidir se há ou não um "evento de crédito" (incumprimento de obrigações) e se devem ser acionados os respetivos seguros para cobrir as perdas em que os "institucionais" entretanto incorreram ou vão incorrer.

Se sim, podem estar em risco de incumprimento não cinco, mas mais de 50 linhas obrigacionistas do Novo Banco no valor de 18 mil milhões de euros em dívida, na sequência da decisão "arbitrária" tomada pelo Banco de Portugal a 29 de dezembro último, revela Mark Gilbert, membro do conselho editorial da Bloomberg.» [DN]
   
Parecer:

O governador do BdP pode ter mandado o sistema financeiro para o buraco.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»

 Explicação antecipada da derrota
   
«Maria de Belém admitiu nesta quinta-feira que o caso das subvenções vitalícias para os políticos pode ser “muito prejudicial” à sua candidatura presidencial.

“Não abdicarei de defender a minha coerência e de afirmar que lutarei bem pelos direitos dos outros se lutar também pelos meus direitos. Não há direitos para uns bons e outros maus, há os direitos que os órgãos legítimos que em democracia aprovam e consideram que são os adequados”, disse esta quinta-feira, à entrada para um almoço com apoiantes na Cervejaria Trindade.

A candidata não tem dúvidas de que esta questão a prejudica junto da opinião pública que considera “mais interessante cortem, cortem, cortem, cortem”. A ex-ministra socialista, no entanto, não vacila, explicando: “Não ficaria bem comigo própria se embarcasse nessa onda porque eu acho que essa onda é a que constrói o ambiente para o enfraquecimento e muitas vezes para a ruína das democracias como aconteceu no século passado”.» [Público]
   
Parecer:

A forma como se comportou não a favorece muito como candidata.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Medo?
   
«"Nunca teremos medo!", defende a direção do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, em resposta ao processo disciplinar de averiguações instaurado pelo Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) ao presidente António Ventinhas, depois de uma queixa feita por José Sócrates.

"Registamos, com muita preocupação institucional, que um dirigente do SMMP, única organização sindical representativa dos magistrados do Ministério Público portugueses, seja alvo de um procedimento de natureza disciplinar, tendo por base declarações proferidas no exercício estrito de funções de natureza sindical", diz uma nota assinada pela direção do Sindicato.» [DN]
   
Parecer:

Será que não confiam na justiça? Medo? Activade sindical? Sindicato?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

   
   
 photo Oleg-Suryaninov-5_zpsk5kh3gdi.jpg

 photo Oleg-Suryaninov-1_zpsojibeywm.jpg

 photo Oleg-Suryaninov-3_zps8entixnq.jpg

 photo Oleg-Suryaninov-2_zpsmiyiqthw.jpg

 photo Oleg-Suryaninov-4_zpsxizcqgjn.jpg
  
blog comments powered by Disqus