quinta-feira, janeiro 19, 2017

E o Ricardo estava mesmo ali!

Primeiro descobriu-se que Sócrates tinha de ser corrupto, a seguir descobriram que o dinheiro do Sócrates estava nas contas do amigo. Como o amigo era administrador de uma empresa que trabalhava para o Estado tinha que ser ele o corruptor, Mas azar do dito, a empresa do amigo tinha tido mais contratos com a direita do que com o Sócrates, isto é, se o dinheiro tivesse vindo do Grupo Lena o sofisticado software do inspector do fisco mais a sua super equipo ainda teriam que vasculhar nas contas do Passos, do Portas e até mesmo do genro de alguém mais influente. A pista tinha de ser outro.

E onde é que cheira mais a dinheiro? É óbvio, qualquer canídeo com faro especializado no vil metal sabe que o cheiro a dinheiro vem do sul, cheira a África, logo a pista do dinheiro teria de dar a Angola e aos muitos negócios aí realizados. Jogo perigoso, o único capítulo em que os angolanos são rigorosamente apegados aos valores da democracia é na distribuição de patacas por tugas gulosos.

Angola não era boa ideia, talvez a Venezuela, quem não se lembrava do Magalhães? Era isso, vamos já investigar a empresa do Magalhães, o navegador que deu a volta ao mundo para acabar nos entrefolhos dos bolsos das calças do Sócrates que, afinal, não era do Sócrates, tinham sido compradas pelo amigo mas este em vez de as provar deu as medidas do primeiro-ministro. Aliás, acho mesmo que as medidas dos primeiros-ministros e do presidente da CGD também deviam ser depositadas no Tribunal de Contas.

Mais um azar, o super investigador de Braga tinha de continuar a sua rota do dinheiro, o negócio estava mesmo ali ao lado, não era na Venezuela, mais a sul, no Brasil, como é que não tinham visto logo? Mas não era no Lavajato, já tinham pedido ajuda aos super juízes brazucas, mas nada, o negócio tinha de ser na Oi. Doi, doi mas não deu em nada, feita a circunavegação do pilim, o arcebispo virou-se para o país e aí o dinheiro pecaminoso tinha de estar no Algarve, em Vale de Lobos.

Estava mais do que provado, já não haviam dúvidas, Sócrates tinha-se abotoado com o dinheiro por conta de uma esquema de licenciamentos. Mas o azar tem destas coisas e até o líder do PSD de Faro, autarca d VRSA e amigo de Fidel Castro veio desmentir. Eis que de repente e a um mês do último prazo dado para concluir a acusação bingo! Estava-e mesmo a ver que tinha de ser o Ricardo Salgado a ter desembolsado a massa!

A investigação tem destas coisas e da mesma forma que Deus faz justiça por linhas tortas, os novos investigadores a fazem com linha trocadas. No primeiro mês da investigação concluíram da culpa de Sócrates, provaram que tinha recebido milhões. Passados anos de investigações descobriram o móbil do crime e o corruptor. Vá lá, Sócrates é um gajo com sorte, pode dar-se por feliz pois com este tipo de justiça podia muito bem ter sido julgado e executado primeiro e só depois investigado, tudo dentro dos prazos legais generosamente concedidos, alargados e aprazados pela procuradora-geral.

É uma pena que o prazo esteja mesmo a acabar pois há uma dúvida que subsiste, haverá alguma relação entre o luxuoso patrocínio concedido pelo BES a um congresso organizado pelos magistrados do MP e o dinheiro dado a Sócrates. É uma pena que o fiscal de Braga não tenha tempo para investigar mais despesas com férias, da mesma forma que andou a ver quem pagava as férias de Sócrates, podia muito bem investigar se houve alguma relação entre os negócios de Sócrates e os passeios das dondocas dos magistrados que estiveram no congresso. Enfim, com a criatividade imaginativa da justiça e com Sócrates e Salgado metidos no negócio tudo é possível. Querem ver que foi o amigo de Sócrates a pagar os salgadinhos no luxuoso hotel Tivoli Marina, uma espécie da versão hoteleira dos sapatos da Prada?


blog comments powered by Disqus