sábado, janeiro 28, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Passos Coelho, um rapazola muito esquecido

Passos Coelho anda com sérios problemas de memória, só isso explica ter-se esquecido do perdão fiscal que o seu Paulo Núncio lançou em 2013, para não referir os desvios colossais com que ia justificando as doses suplementares de cortes salariais com que pretendia lançar a sua desvalorização fiscal do trabalho. Deve estar esquecido que os cortes salariais que dizia serem para um ano funcionaram como plano B e pretendia que assim continuasse a ser.

Passos Coelho parece ignorar que em certas matérias lhe falta autoridade moral para questionar ou criticar este ou qualquer outro governo.

«O líder do PSD disse hoje que o défice de 2016 seria de 3,4%, descontadas as medidas extraordinárias e os cortes no investimento público planeado pelo Governo, e questionou António Costa sobre qual seria o valor sem estas medidas. 

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, contrapôs, primeiro, que o saldo primário melhorou no ano passado 747 milhões de euros em relação à execução orçamental de 2015.

Perante a insistência de Pedro Passos Coelho, na sua intervenção no debate quinzenal no parlamento, de qual seria o valor do défice sem recursos a medidas extraordinárias, António Costa respondeu: “Senhor deputado, terá a resposta quando o diabo cá chegar”, disse, provocando protestos na bancada do PSD.

Num debate muito tenso entre o primeiro-ministro e o líder da oposição, Passos Coelho voltou a acusar o Governo de viver num mundo de “fantasias e faz de conta”, nomeadamente no que diz respeito ao valor do défice de 2016, que António Costa já disse que não será superior a 2,3%.» [Jornal Económico]

 A Bad Lip Reading of Donald Trump's Inauguration


      
 Auditores bem comportados na Saúde
   
«No capítulo sobre "as atitudes e comportamentos dos auditores" estipula-se que, além de se apresentarem "à hora indicada", devem usar vestuário que "transmita a formalidade quer do acto da auditoria, quer como representante da DGS" e abster-se de colocar questões pessoais aos auditados. Mais: "nunca devem utilizar linguagem popular ou calão", nem adoptar atitudes “agressivas, rígidas ou inspectivas”. São ainda aconselhados a colocar as questões “de maneira pausada e clara, com respeito e amabilidade”.

Os procedimentos gerais definidos nesta orientação devem ser cumpridos por todos os auditores, internos e externos, frisa o director-geral, que, na orientação, explica que decidiu divulgar as práticas recomendadas junto das Comissões de Qualidade e Segurança e dos auditores dos serviços do SNS que actuam no âmbito da Estratégia Nacional para a Qualidade na Saúde.» [Público]
   
Parecer:

Ridículo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
  
 Portuenses first!
   
«O anúncio oficial está agendado para o dia 3 de fevereiro, pelas 18h nos Paços do Concelho e conta com a presença do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa. Apesar de remeter esclarecimentos mais concretos para o dia da apresentação, a candidata vinca, em entrevista ao Expresso, o objetivo de ajudar a construir “uma cidade aberta ao mundo, mas com os portuenses” em primeiro plano.

“A cidade é dos portuenses e devemos acentuar esse princípio. Naturalmente, o Porto deve estar aberto ao mundo e a todos os que a visitam, porque também não queremos uma cidade fechada”, afirma Ilda Figueiredo, integrante do Comité Central do Partido Comunista Português.» [Expresso]
   
Parecer:

A moda do "first!" parece ter pegado.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Os últimos são os primeiros
   
«Sara Bordalo Gonçalves, 37 anos, sente-se "num limbo" profissional. Professora de Geografia há 14 anos - sempre com contratos celebrados com o Ministério da Educação, embora nem todos anuais -chegou ao final de agosto com 11 anos e 278 dias de serviço nas escolas públicas. Num grupo de recrutamento (o 420), em que existem cerca de 3600 professores a nível nacional, ocupa a posição 161 na hierarquia, definida pelas listas graduadas. Mas pelas regras definidas pela tutela para a vinculação extraordinária falha o quadro por 87 dias.

Ironicamente, até já cumpriu esses três meses de serviço em falta "no primeiro período", no Agrupamento de Escolas Agostinho da Silva, em Vale de Cambra. Mas de acordo com a regra definida pelo ministério esse facto é irrelevante: teria de ter cumpridos 4380 dias exatos até 31 de agosto de 2016.

Pior: prepara-se para ser ultrapassada nessas vagas por centenas de colegas: "Posso ser ultrapassada pelo número 432 da lista, por uma diferença de dias, mesmo que tenha muito mais contratos celebrados com o Ministério", ilustra.» [DN]
   
Parecer:

Num sistema onde apenas a velhice conta podem ser os últimos a entrar. Concorrendo a uma vaga fica-se à frente por mérito intelectual, mas se essa vaga não for um contrato de um ano o mérito intelectual já não conta.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se os parabéns aos idiotas que inventaram esta aberração que leva a que os melhores fiquem excluídos.»

 O negócio do malparado
   
«Pelo menos quatro entidades privadas apresentaram ao Governo e ao Banco de Portugal soluções que visam resolver o problema do designado "non performance loans" (NPL), o crédito malparado que está a infectar as contas dos bancos portugueses. Em causa estão cerca de 30 mil milhões de activos problemáticos, cerca de metade ainda por provisionar, o que coloca pressão adicional sobre o capital das instituições financeiras, em particular, do Novo Banco.

Para além dos contactos (não formais) realizados por António Esteves, o ex-Goldman Sachs que representa um consórcio que integra o fundo de private equity norte-americano TPG e diz ter disponível 15.000 milhões de euros, as autoridades foram, nos últimos meses, informadas da existência de outros interessados em avaliar a compra das carteiras de crédito malparado (activos que não geram rentabilidade) dos bancos portugueses.» [Público]
   
Parecer:

O malparado da CGD devia ser cobrado pelo fisco.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a proposta.»

 Formalizada a nova geringonça
   
«» []
   
Parecer:

Pobre Passos, aonde teve de chegar para se man ter acima da linha de água.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «»

 Os eternos opositores
   
«A UGT "está satisfeita" com a solução de reduzir o Pagamento Especial por Conta (PEC) em alternativa à descida da TSU, mas avisa que só assinará a adenda ao acordo de concertação social que viabiliza esta alteração se a CGTP também assinar.

"Nós estamos sempre sentados à mesa [das negociações], mas não vamos discutir o aditamento se a CGTP não assinar o acordo de concertação social", avisou esta sexta-feira o secretário-geral da UGT, Carlos Silva, em conferência de imprensa, em Lisboa.

Em causa está o facto de a CGTP ter manifestado quinta-feira a intenção de participar na discussão da adenda ao acordo de concertação social, relativa à redução do PEC, que considera positiva, mas que não pretende aderir ao acordo por rejeitar parte do seu conteúdo.» [Expresso]
   
Parecer:

A posição da CGTP é, no mínimo, uma pura hipocrisia oportunista, estes sindicalistas apenas negoceiam para aparecer nas televisões e depois dizerem aos trabalhadores que lhes devem tudo. A forma de estar da CGTP é de uma grande desonestidade e cobardia, que em nada serve para defender os interesses económicos dos trabalhadores, sistematicamente confundidos com os interesses políticos e os condicionalismos ideológicos do PCP.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»
 E os descendentes de escoceses não cometem crimes
   


«Donald Trump ordenou esta semana à sua administração que publique e atualize semanalmente uma lista de crimes cometidos por imigrantes nos Estados Unidos. A medida está incluída numa das ordens exectuvias que o novo líder norte-americano assinou esta semana para controlar e combater a imigração, ao quinto dia da sua presidência. No parágrafo, lê-se que o Departamento de Segurança Nacional "deve tornar pública uma lista abrangente de ações criminosas cometidas por estrangeiros" nos EUA.


"Para melhor informar o público sobre as ameaças à segurança pública associadas às jurisdições-santuário, a Secretaria deve [...], numa base semanal, publicar uma lista abrangente das ações criminosas cometidas por estrangeiros e por qualquer jurisdição que ignore ou falhe em honrar quaisquer embargos que digam respeito a estes estrangeiros."» [Expresso]
   
Parecer:

Idiota.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se o Trump à trampa.»

blog comments powered by Disqus